Operação da polícia revela fraudes contra o Detran-SP em São José

A operação foi realizada em conjunto com a 4ª Delegacia da DICCA, da Polícia Civil. (Foto: GESP)

O Departamento Estadual de Investigações Criminais da Polícia Civil (Deic) deflagrou na quarta-feira (19) a operação de combate a fraudes contra o Departamento Estadual de Trânsito do Estado de São Paulo (Detran-SP), órgão vinculado à Secretaria Estadual de Gestão e Governo Digital (SGGD). Essas irregularidades estariam sendo praticadas em São José dos Campos.

O Deic, por meio da 1ª Divisão de Investigações Gerais (DIG), cumpriu simultaneamente sete mandados de busca e apreensão na cidade contra proprietários de três autoescolas credenciadas suspeitas de envolvimento em um esquema de baixa indevida de multas e pontuações em CNHs, além de fraudes em prontuários de veículos.

As informações estavam sendo inseridas no sistema sem autorização do Detran-SP, em princípio com apoio de um hacker localizado em Crato, no Ceará – onde também foi cumprido mais um mandado de busca e apreensão.

Denominada Trojan, a investigação pretende elucidar fraudes praticadas em prejuízo do Detran-SP e da sociedade. A suspeita é de que o hacker seja o responsável pela invasão do sistema, ao obter indevidamente as senhas do Detran-SP e comercializá-las para os proprietários do Centros de Formação de Condutores (CFCs). Identificou-se ainda a realização de movimentações financeiras da ordem de mais de R$ 3 milhões pelos responsáveis pelos três estabelecimentos, possivelmente provenientes das práticas criminosas.

O cumprimento dos mandados resultou na apreensão de equipamentos eletrônicos e aparelhos celulares. Os suspeitos mantinham em seus celulares uma grande lista de placas de veículos, possivelmente relacionadas para alterações indevidas nos respectivos prontuários. Na residência de um dos proprietários investigados, foram encontrados também moldes de impressões digitais, os chamados “dedos de silicone”, que estariam sendo usados para fraudar a participação de candidatos em aulas e provas para emissão de CNHs.

Na cidade cearense de Crato, equipes da 1ª DIG/DEIC/SJC também apreenderam os dispositivos eletrônicos do suposto hacker para análise. Os trabalhos continuarão, com apoio do Detran-SP, para a verificação do possível envolvimento de proprietários de autoescolas na fraude. As pessoas beneficiadas com a inserção dos dados falsos também serão investigadas e poderão responder a processo criminal.

A superintendência do Detran-SP em São José dos Campos elaborou relatório para a suspensão preventiva das atividades dos três CFCs, que serão punidos mediante a comprovação do envolvimento no crime. Além do processo criminal, os responsáveis pelas autoescolas responderão a processo administrativo sancionatório, cuja penalização, após observados os princípios do contraditório e da ampla defesa, pode resultar na cassação do registro de credenciamento dos envolvidos.

Intolerância à corrupção

Nos cinco primeiros meses deste ano, o Detran-SP promoveu 2.186 fiscalizações junto aos “agentes delegados ou regulados”, empresas e profissionais atuantes no setor, como desmontes, autoescolas, despachantes, estampadoras de placas.

Em 2023, foram 7.572 fiscalizações desse tipo – um número cerca de 10% superior às fiscalizações do ano anterior. Apenas em relação a CFCs e profissionais que atuam no processo de habilitação, foram aplicadas 389 penalidades, sendo 214 advertências por escrito, 72 suspensões das atividades e 103 de e cassações dos registros de credenciamento.

Caso o cidadão desconfie de algum local irregular, é possível denunciar ocorrências desse tipo no Disque Denúncia 181. O serviço é da Secretaria de Estado da Segurança Pública e o sigilo é absoluto. A denúncia também pode ser feita na internet, no site www.webdenuncia.org.br.

Além disso, é importante destacar que qualquer denúncia de condutas irregulares ou indícios de corrupção nos serviços regulados pelo Detran-SP pode ser formalizada através da Ouvidoria do Detran-SP. Os cidadãos podem acessar o Portal do Detran-SP, selecionar a seção “Ouvidoria” e clicar na opção “Denúncia”. Devem fornecer uma descrição detalhada da denúncia e preencher o formulário. O link para registrar a solicitação é (fala.sp.gov.br).

Botão Voltar ao topo