fbpx
publicidade
𝑝𝘶𝑏𝘭𝑖𝘤𝑖𝘥𝑎𝘥𝑒

Agência Espacial Brasileira reconhece atuação da AIAB em favor do país

Fundada em fevereiro de 1994, a AEB é o órgão responsável por coordenar e executar as políticas e atividades do Programa Espacial Brasileiro

2. Julio Shidara é homenageado pelo presidente da AEB (Divulgação/AEB)

A importância do trabalho desenvolvido pela AIAB (Associação das Indústrias Aeroespaciais do Brasil) em favor do progresso do estratégico setor espacial brasileiro foi reconhecida e homenageada durante solenidade alusiva aos 30 anos da AEB (Agência Espacial Brasileira), na quinta-feira (22), em Brasília.

O evento, realizado no Palácio do Itamaraty, contou com a participação da ministra de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação, Luciana Santos, e do presidente da Agência, Marco Antônio Chamon, além de representantes de diversos países, como Estados Unidos, China, Japão, Coreia do Sul, Índia, Áustria e Itália.

Fundada em fevereiro de 1994, a AEB é o órgão responsável por coordenar e executar as políticas e atividades do Programa Espacial Brasileiro.

A solenidade foi marcada por uma homenagem, in memoriam, ao engenheiro Walter Bartels, que presidiu a AIAB entre 1995 e 2019 – foi o presidente mais longevo da associação. Ele morreu em janeiro, aos 84 anos.

Seu legado foi reverenciado pela AEB com uma Menção Honrosa pelo Mérito Espacial “por sua significativa contribuição para o desenvolvimento das atividades espaciais brasileiras”. O diploma foi entregue à filha do ex-presidente, Mariana Bartels.

“Para mim, é muito emocionante estar aqui hoje porque vejo que meu pai alcançou tudo aquilo que ele queria e deixou um legado”, disse Mariana.

Cooperação

Presente na solenidade, o atual presidente da AIAB, Julio Shidara, também foi homenageado com a Menção Honrosa pelo Mérito Espacial. A AEB destacou sua atuação como membro titular do Conselho Superior da Agência como representante do setor industrial e a sua contribuição para as negociações que culminaram no maior financiamento já concedido pelo FNDCT (Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) para incentivar a indústria espacial brasileira.

Em seu breve pronunciamento, Shidara ressaltou o fundamental papel das recentes subvenções econômicas para o setor, no processo de mitigação da atual dependência brasileira de satélites estrangeiros.

“É compromisso da AIAB e da competente indústria espacial brasileira contribuir para diminuir, gradativamente, a incômoda dependência que o Brasil tem de satélites estrangeiros para prover serviços essenciais básicos para seus cidadãos”, declarou o presidente da AIAB.

“Praticamente tudo o que fazemos no nosso dia a dia depende de satélites. Nos Estados Unidos, por exemplo, 14, de um total de 16 sistemas de infraestruturas críticas, como energia elétrica, comunicação, transporte, e sistema financeiro, dentre outros, dependem do GPS para funcionarem. No Brasil, a situação não deve ser diferente. Eventual problema com o GPS norte-americano pode provocar um apagão nacional”, acrescentou.

“Compartilho essa homenagem com todos aqueles que, diretamente ou indiretamente, contribuíram e contribuem para o fortalecimento do setor espacial brasileiro”, concluiu Shidara.

Soberania

A ministra Luciana Santos lembrou, em seu discurso, que o avanço científico e tecnológico de uma nação depende da construção de capacidades.

“A AEB, desde sua fundação, tem empreendido esforços para promover a autonomia do setor espacial”, disse. “Temos a convicção de que a autonomia tecnológica de um país é decisiva para a soberania e para o crescimento econômico e social. Neste sentido, o setor espacial é estratégico.”

O presidente da AEB, Marco Antonio Chamon, destacou as conquistas do setor espacial em 30 anos e projetou os próximos desafios do setor.

“O Programa Espacial Brasileiro é chamado a contribuir com os grandes desafios do Brasil e do mundo. Temos que trabalhar para erradicar a pobreza e a fome. Para eliminar a desigualdade em todas as suas formas. Para mitigar os impactos das mudanças climáticas. Para promover o desenvolvimento econômico. Enfim, temos que orientar o Programa Espacial para os objetivos de desenvolvimento sustentável. Isso é possível, e isso é o nosso projeto”, declarou.

Também estiveram presentes os diretores do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), Clézio De Nardin, e do DCTA (Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial), Tenente-Brigadeiro do Ar Maurício Augusto Silveira de Medeiros, além do diretor de Negócios dos Correios, Sandro Alexandre Almeida, que realizou o lançamento de um selo comemorativo aos 30 anos da AEB.

Botão Voltar ao topo