fbpx
publicidade
𝑝𝘶𝑏𝘭𝑖𝘤𝑖𝘥𝑎𝘥𝑒

Estudantes de Etec extraem bioplástico do bagaço da laranja

Projeto de alunos do curso técnico de Química de Limeira propõe substituição do filme plástico na indústria alimentícia. (Foto: GESP)

Um projeto desenvolvido por estudantes da Escola Técnica Estadual (Etec) Trajano Camargo, localizada em Limeira, na Região de Campinas, pode diminuir a poluição causada por plásticos de origem petroquímica, utilizados em supermercados e na indústria de alimentos, que demoram mais de 400 anos para se decompor no meio ambiente.

A alternativa encontrada por Gustavo dos Santos e Monick Souza foi a Produção de polímero biodegradável através da pectina do bagaço de laranja. Formados no curso técnico de Química, eles foram orientados pelos professores Jéssica de Macedo e Reinaldo Blezer em seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), apresentado no final do semestre passado.

O polímero é um filme plástico, daqueles encontrados em prateleiras de supermercados embalando frutas e outros vegetais, produzido à base de pectina. “É um açúcar que pode ser extraído do bagaço da laranja. Com a adição de outros reagentes químicos chegamos ao bioplástico”, explica Gustavo. “Ficou muito parecido com o filme plástico de PVC, tanto em aspectos visuais quanto aos relacionados à preservação de alimentos.”

Sob condições corretas de iluminação e compostagem, pesquisas apontam que o tempo de decomposição desses plásticos pode diminuir para cerca de seis meses.

O projeto foi um dos 100 finalistas da 11ª Mostra de Ciências e Tecnologia Instituto 3M, realizada em novembro de 2023. De acordo com Gustavo, um dos principais desafios encontrados pela dupla para desenvolver o polímero foi o tempo escasso – dois dos três semestres do curso. “Eles superaram os obstáculos com sucesso, evidenciando o comprometimento e a dedicação para com as atividades propostas”, elogia a orientadora Jéssica de Macedo. O professor Reinaldo Blezer é o coorientador do trabalho.

Tema atual
Além de atender aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU), o projeto está em consonância com o Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado em junho de 2023, tendo a poluição plástica como tema, um problema alarmante em todo mundo, assim como no Brasil.

De acordo, com a edição mais recente do Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, elaborado pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) em 2023, cada brasileiro gerou 64 quilos de lixo plástico no ano anterior à pesquisa. Em números absolutos, são 13,7 milhões de toneladas de resíduos plásticos gerados em 12 meses – boa parte desse material era de uso único, aquele com pouquíssimo tempo útil e séculos de impacto ambiental.

Descartados inadequadamente, os plásticos se tornaram um dos principais vilões do meio ambiente. O resíduo plástico é poluente mais encontrado nos corpos hídrico do planeta corresponde a 48,5% dos materiais que vazam para os mares.

Botão Voltar ao topo