fbpx
publicidade
𝑝𝘶𝑏𝘭𝑖𝘤𝑖𝘥𝑎𝘥𝑒

Governo de SP lança Portfólio Verde na COP28

Semil mapeia 20 mil hectares de áreas disponíveis para reflorestamento no Estado

Semil mapeia 20 mil hectares de áreas disponíveis para reflorestamento no Estado. (Foto: Divulgação/GESP)

O Governo de SP lançou, no sábado (2), na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP28), o Portfólio Verde. A iniciativa da Secretaria de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística (Semil) traz um mapeamento de cerca de 20 mil hectares de áreas disponíveis no Estado para ações de reflorestamento. O documento integra os eixos de Biodiversidade e de Bioeconomia e Finanças Verdes, do Plano Estadual de Meio Ambiente.

O material, que visa à atração da iniciativa privada para a ampliação de cobertura vegetal, foi entregue por integrantes da comitiva do Governo paulista, no Pavilhão Brasil, ao Superintendente de Meio Ambiente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Nabil Kadri.

“Essa iniciativa mostra o compromisso do Estado de São Paulo com a restauração e, acima de tudo, com o meio ambiente. Um projeto que associa economia, geração de emprego e renda. O Governador Tarcísio de Freitas nos deu a diretriz de apoiar projetos e buscar soluções para viabilizar a restauração do Estado. Por meio do portfólio, conseguimos unir nossas ações e trazer para a COP um pouco desse trabalho que vem sendo desenvolvido nos último meses”, avalia o subsecretário de Meio Ambiente, Jônatas Trindade.

O portfólio compõe quatro programas em prol da ampliação de florestas nativas em São Paulo: Refloresta-SP, Nascentes, Corredor Verde e o Banco de Áreas do Instituto de Terras do Estado (Itesp).

O ReflorestaSP trata da estratégia de integração entre lavoura-pecuária-floresta. São 1,6 mil hectares mapeados, com 58 projetos disponíveis, cujo interessado tem acesso via plataforma digital que fornece informações técnicas com intuito de incentivar o uso do solo em regiões de baixa cobertura vegetacional, em especial em áreas de pouca aptidão agrícola.

Já o Nascentes visa à restauração ecológica para promover a conservação dos recursos hídricos e da biodiversidade. No total, foram mapeados 3,5 mil hectares, em 34 Unidades de Conservação no Estado.

No caso do Corredor Verde, o atrativo é o estímulo ao plantio de espécies nativas, principalmente da Mata Atlântica, para a criação de corredores ecológicos a partir de doações de pessoas físicas e jurídicas. Por fim, no Banco de Áreas do Itesp foram mapeados 13,3 mil hectares e 91 assentamentos em áreas de reserva legal e de preservação permanente nos municípios paulistas.

O lançamento contou com a participação de Rui Gomes Junior, presidente da InvestSP. O Portfólio Verde tem por objetivo captar novas parcerias privadas para o fomento de mais uma rota focada na descarbonização de cadeias produtivas. “Nós da InvestSP temos o mandato de buscar soluções de financiamento adequadas para os projetos de SP, e essa iniciativa proporciona que os investidores possam olhar nosso Estado com um grande potencial na agenda verde”, pontuou.

Para o Presidente da Fundação Florestal, Mario Mantovani, que também participou do lançamento, o documento será um importante instrumento na captação de recursos para a restauração florestal. “São Paulo faz muita atividade, mas cada uma estava numa caixinha, num lugar diferente. Quando você traz um portfólio desse, você coloca tudo numa lógica integrada, tornando possível direcionar os programas de forma mais eficiente”.

Botão Voltar ao topo