fbpx
publicidade
𝑝𝘶𝑏𝘭𝑖𝘤𝑖𝘥𝑎𝘥𝑒

Música na Sacada iluminará casarão histórico de São Sebastião

(Foto: Celia Santos/PMSS)

Nos próximos dias 23, 24 e 25 de novembro, a partir das 19h, moradores e visitantes poderão apreciar, gratuitamente, mais uma edição do projeto Música na Sacada da Casa Brasileira, realizado no Complexo Turístico da Rua da Praia, Centro Histórico de São Sebastião.

Valorizando o patrimônio histórico do município, a atividade conta com o apoio da Prefeitura, por meio da Fundação Educacional e Cultural ‘Deodato Sant’Anna’ (Fundass) e da Secretaria de Turismo (SETUR), e realização do Instituto Mpumalanga, que neste ano foi contemplado com recursos do Edital ProAC 2022 da Secretaria de Cultura, Economia e Indústria Criativa do Estado de São Paulo.

O casarão que abriga o ponto de cultura Casa Brasileira será todo iluminado e vai receber diversos artistas para apresentações no alto da sacada, unindo arte e memória e o público poderá assistir aos shows da calçada onde fica o imóvel do século XVIII, de frente para o mar.

Na sacada, estarão o cantor, compositor e sanfoneiro Marcelo Jeneci; a cantora e compositora Ná Ozzetti com o músico Dante Ozzetti; o cantor e sambista João Cavalcanti; o grupo carioca Matriarcas do Samba; a guardiã do samba paulista, Maria Helena Embaixatriz; a cantora hondurenha radicada no Brasil, Indiana Nomma e a moçambicana Lenna Bahule, ao lado de artistas locais.

Representando as raízes culturais do Litoral Norte, participam Mestre Ostinho, de Ubatuba, com o fandango do Ciranda Caiçara; a cantora sebastianense Sônia Lopes com o Sarau Azul; o maestro e saxofonista Almir Clemente em trio instrumental, além do Coral Guarani, da Terra Indígena Rio Silveira, e do Coralusp São Sebastião, regido pela maestrina Selma Boragian.

Na quinta-feira (23), às 19h, os primeiros sons na sacada serão ancestrais.

Na abertura do festival, o Coral Guarani da Terra Indígena Rio Silveira apresentará cantos do povo que resiste com sua língua, danças, músicas e costumes.

Na sequência, o quarteto Matriarcas do Samba virá com um repertório que consagra as raízes do samba carioca. Composto por Nilcemar Nogueira, Geisa Keti, Vera de Jesus e Selma Candeia, as Matriarcas são descendentes dos ícones do samba Cartola, Zé Keti, Clementina de Jesus e Candeia.

No repertório, clássicos como ‘A voz do morro’, ‘Alvorada’, ‘Preciso me encontrar’ e ‘Não vadeia Clementina’, além de sambas-enredos antológicos e sambas de terreiro.

Celebrando o samba brasileiro, Maria Helena Embaixatriz terá uma participação especial no momento de lançamento da Revista do Samba do Instituto Mpumalanga.

Maria Helena foi presidente da Embaixada do Samba de São Paulo por dois mandatos consecutivos. Ativista negra, ela foi fundadora da Velha Guarda da Rosas de Ouro.

Marcelo Jeneci encerrará a primeira noite do Música na Sacada com uma apresentação de voz e sanfona. Cantor, multi-instrumentista e compositor, Jeneci trará canções dos álbuns consagrados ‘De Graça’ (2014) e ‘Guaia’ (2019), indicados ao Grammy Latino, entre outras músicas do seu repertório.

Jeneci começou tocando sanfona na banda de Chico César, com quem excursionou pela Europa em 2000. A partir de 2008, Marcelo Jeneci teve diversas músicas suas em trilhas de novelas, marcando seu sucesso como compositor.

Na sexta-feira (24), o Música na Sacada vai mesclar música brasileira com sons latino-americanos e africanos, em noite que terá presença da moçambicana Lenna Bahule e da hondurenha Indiana Nomma.

A abertura dessa noite será com o maestro e saxofonista Almir Clemente, em instrumental de MPB e Bossa Nova, e com a cantora sebastianense Sonia Lopes, com o projeto Sarau Azul, que prestigia os grandes poetas brasileiros.

Em seguida, a cantora Lenna Bahule, de Moçambique, mostrará como faz a fusão sonora entre as ‘Áfricas’ e os ‘Brasis’, explorando conexões musicais entre essas diversas culturas.

Cantora, arte educadora e ativista cultural, Lenna é natural de Maputo e vive mergulhada em pesquisas e intercâmbios com afro-culturas e movimentos sociais de seu país, do Brasil e de outras diásporas africanas. Seu primeiro disco, Nômade (2016), esteve na lista dos 100 melhores discos produzidos no Brasil.

Quem encerra a noite de sexta-feira na sacada da Casa Brasileira é a hondurenha Indiana Nomma. Conhecida no cenário do jazz e da canção latino-americana, Indiana iniciou sua carreira musical em Brasília e lançou seis discos, desde 2015, dos quais dois foram finalistas do 27°e do 29° Prêmios da Música Brasileira.

Foi declarada pelos herdeiros de Mercedes Sosa intérprete do tributo oficial à cantora argentina, após o lançamento do álbum “Mercedes Sosa: A Voz dos Sem Voz”.

No sábado (25), em noite com fandango caiçara e canto coral, o Música na Sacada receberá o cantor, compositor e sambista carioca João Cavalcanti e a cantora e compositora paulista Ná Ozzetti.

Antes, às 19h, as vozes do Coralusp São Sebastião, sob a regência de Selma Boragian, abrem as apresentações da última noite do festival, com coralistas entoando canções populares brasileiras e do mundo dos janelões da sacada.

Mestre Ostinho de Ubatuba e o grupo Ciranda Caiçara entram, em seguida, com viola, rabeca, caixa e pandeiro para cantar e tocar o fandango, estilo de música e dança que representa o povo caiçara.

João Cavalcanti e Ná Ozzetti encerram o Música na Sacada da Casa Brasileira. Cantor, compositor e jornalista de formação, João Cavalcanti foi vocalista por 16 anos do grupo Casuarina, eleito duas vezes como melhor grupo de samba pelo Prêmio da Música Brasileira, com quem gravou sete CDs e dois DVDs.

Em carreira solo, suas músicas têm sido gravadas por importantes nomes da música brasileira, entre eles, Lenine, seu pai. Em janeiro de 2022, ‘Desengaiola’, com 18 canções feito em parceria com Alfredo Del-Penho, Moyseis Marques e Pedro Miranda foi indicado ao Grammy Latino 2023, na categoria Melhor Álbum de Samba/Pagode, e ganhou o Prêmio da Música Brasileira/2023, na categoria Projeto Especial.

Prestes a completar 45 anos de carreira musical, Ná Ozzetti começou na música ao ingressar no grupo Rumo, um dos representantes da Vanguarda Paulista, gravando com ele cinco discos.

Depois, em carreira solo, teve vários álbuns premiados e marcou parcerias constantes com seu irmão Dante Ozzetti, Luiz Tati, José Miguel Wisnik e Itamar Assumpção. Celebrou 40 anos de carreira em 2019 com o espetáculo ‘Ná, 40 anos de palcos’. Em 2022 lançou ‘Se você aparecer’, com músicas inéditas e arranjos de Dante Ozzetti, músico que o acompanhará na sacada da Casa Brasileira.

Revista do Samba tem lançamento para evento cultural ‘Música na Sacada’

Durante o festival Música na Sacada da Casa Brasileira será lançada a Revista do Samba, periódico on-line do Instituto Mpumalanga que pretende contribuir para a conservação das raízes da música brasileira e divulgar o trabalho e o pensamento de diferentes artistas da música.

Com curadoria da cantora Renata Jambeiro, a revista apresentará o samba feito na atualidade, suas ancestralidades até o samba contemporâneo com diferentes estilos.

O Instituto Mpumalanga é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, que atua com projetos de educação pela arte; cultura; gastronomia; meio ambiente e comunicação.

A Casa Brasileira é o centro de cultura, arte e gastronomia do Mpumalanga. O projeto Música na Sacada foi realizado pela primeira vez em 2017 e, pela segunda vez, em 2018, com um grito de carnaval da sacada, para um público de quase 2 mil pessoas.

Serviço

Música na Sacada

Apresentação de Renata Jambeiro e Luciana Oliveira

Dias: quinta e sexta-feira e sábado (23,24 e 25)

Horário: 19h às 23h

Local: Ponto de Cultura Casa Brasileira

Endereço: Avenida Dr. Altino Arantes, 80 – Rua da Praia, Centro Histórico

Classificação livre

Entrada gratuita

Programação

Dia 23/11 (quinta-feira)

Coral Guarani

Maria Helena Embaixatriz

Matriarcas do Samba

Marcelo Jeneci

Dia 24/11 (sexta-feira)

Almir Clemente

Sonia Lopes

Lenna Bahule

Indiana Nomma

Dia 25/11 (sábado)

Coralusp São Sebastião – Regência de Selma Boragian

Mestre Ostinho e Grupo Ciranda Caiçara/ Ubatuba

João Cavalcanti

Ná Ozzetti

Botão Voltar ao topo