fbpx

Escola Santaninha em São José dos Campos marca histórias de vida há mais de 100 anos

Tradição e Inovação: Emefi Santana do Paraíba foi municipalizada pela Prefeitura e segue colecionando histórias de vidas beneficiadas pela Educação pública. (Foto: Adenir Britto/PMSJC)

Em 1920, São José dos Campos deu início ao processo de industrialização do município, com incentivos para fábricas e um plano voltado à modernização. Em meio às inovações da época, nasce a escola Santana do Paraíba, marco na região norte há 103 anos, cercada de memórias e histórias.

A história da escola, carinhosamente apelidada de Santaninha, mistura-se à história da cidade que une cultura, tradição e tecnologia, e hoje é o principal município da Região Metropolitana do Vale do Paraíba, com relevância no setor aeronáutico e aeroespacial.

História entre gerações

A arquitetura centenária do prédio da Emefi Santana do Paraíba com pisos, portas e móveis antigos de madeira, escadas na entrada e descida do pátio, remete ao passado e às gerações que passaram por ali, e reforça a importância de manter as memórias visando o futuro, com oferta de educação de qualidade aos 500 alunos matriculados na escola recém-municipalizada pela Prefeitura de São José dos Campos.

Entre os ex-alunos está dona Gonçalina de Lima, 68 anos, mãe de 8 filhos, com 11 netos e 2 bisnetos. A moradora da Vila Sinhá recorda com carinho os tempos de escola, onde estudou na década de 1960.

“Eu tinha uns nove ou dez anos quando estudei aqui. A gente chegava e já entrava direto para a sala. Não tinha muito tempo de lanche e brincadeira não. O prédio era desse jeitinho. As professoras eram muito boas e exigentes. A gente aprendia a fazer conta, escrever direitinho, fazer ditado, decorar a tabuada. Eu me esforçava e acho que ia bem”, conta a simpática Gonçalina.

“Muita coisa mudou da minha época para hoje, mas acho que está bom demais, do jeito que as crianças gostam. Preparando os alunos para que saiam daqui sabendo das coisas para crescerem direito”, afirma.

Dona Gonçalina ainda frequenta os espaços da Santaninha, mas agora para acompanhar o neto Lorenzo Simões Ribeiro, 8 anos, do 3º ano. “Estudo aqui desde o 1º ano e gosto muito, principalmente de ir para a quadra e brincar no pátio. A merenda aqui é boa também”, diz Lorenzo.

“A escola é importante para a gente ter um futuro melhor. Se fosse dar um presente para Santaninha ia querer que a escola funcionasse o dia todo até de noite e todos os dias”, comenta o estudante.

“Ele fez amigos aqui e não reclama de nada, gosta bastante. A escola é especial na vida da gente, não é mesmo?”, conclui Gonçalina.

Preparando o futuro

Para Samuel Castilho Silva Maciel, 10 anos, do 5º ano, “a escola prepara para o futuro e o papel dos professores é muito importante”.

“Gosto muito daqui, o que acho mais legal são as aulas de educação física, de matemática e o recreio. Meu lugar preferido é o pátio. Precisamos cuidar muito da nossa escola para que ela continue sendo boa”, diz.

Ana Luiza Antunes Magalhães, 11 anos, do 5º ano, quer ser professora quando crescer e acredita que “a escola vai ajudar nesse sonho”. Para ela, as aulas de ciências, história e geografia são as favoritas, mas todos os espaços e educadores devem ser reconhecidos.

“Os espaços são legais e eu gosto de brincar com os meus amigos no pátio. As coisas mais importantes que temos aqui são os professores e a coordenação, pois com eles podemos ter um ensino e futuro melhor”, afirma a estudante.

“Precisamos cuidar da Santaninha com todo carinho e respeito”, destaca a sorridente Ana Luiza.

Professora há 12 anos na rede de ensino municipal, Maria Cardoso está em seu primeiro ano na escola Santaninha e considera a municipalização um processo relevante para a educação pública da cidade.

“Participar deste processo tem sido muito especial. Percebo as mudanças, ações e projetos que propõem melhorias pensando sempre nos alunos. Também tenho contato com familiares deles que estudaram aqui, vemos a importância histórica da escola para toda comunidade. Fazer parte desse momento e poder acompanhar a minha turma do 1º ano do Fundamental é um privilégio”, afirma Maria.

“Trabalhar com as crianças no início da formação delas é maravilhoso, construímos uma história com os alunos visando a formação completa e com atendimento de qualidade na nossa rede”, diz emocionada a professora.

Parabéns, Santaninha!

Os 103 anos completados neste semestre serão celebrados com toda a comunidade escolar reunida na tradicional Festa Junina da escola. O Arraiá do Santaninha será neste sábado (17), das 9h às 13h, com comidas típicas, brincadeiras e danças.

Botão Voltar ao topo