Mais de 1700 cestas de alimentos são distribuídas para comunidades de Ubatuba

(Foto: Divulgação/PMU)

A Secretaria de Assistência Social de Ubatuba deu início na terça-feira, dia 17, a distribuição de 1.760 cestas de alimentos para as comunidades de remanescentes quilombolas existentes no município.

Segundo a pasta por meio de uma iniciativa do Governo Federal em parceria com a Fundação Cultural Palmares, Ubatuba foi contemplada com esses alimentos encaminhados pelos órgãos federais com objetivo de atender em caráter emergencial comunidades quilombolas que, em consequência do agravamento de vulnerabilidades sociais causado pela pandemia da Covid-19, podem estar em situação de insegurança alimentar.

Quatro comunidades remanescentes quilombolas serão atendidas com a ação: Caçandoca, Fazenda da Caixa, Sertão do Itamambuca e Camburi.

A equipe iniciou ontem a distribuição no Quilombo do Sertão do Itamambuca, atendendo 70 famílias com 350 cestas. Ainda nesta semana ocorrerão as entregas na Fazenda da Caixa, e na próxima semana serão entregues na Caçandoca e no Camburi. Na Fazenda da Caixa, 77 famílias receberão 385 cestas, já na Caçandoca serão 425 cestas para 85 famílias e no Camburi, 600 cestas para 120 famílias.

Ainda segundo a Secretaria de Assistência Social, os alimentos estão sendo repassados de acordo com as orientações das entidades federais – cada família receberá cinco cestas, com 21,5 kg cada.

A pasta ainda reforça que distribuirá nessas duas semanas quase 38 toneladas de alimentos, e no início de fevereiro entregará em Brasília, na Fundação Cultural Palmares, a prestação de contas com todos os formulários preenchidos e assinados pelos responsáveis pelas famílias beneficiadas.

“Cada beneficiário está tendo que assinar em um formulário de prestação de contas durante a entrega dessas cestas, mas como nem todas as famílias conseguem ir no dia e horário marcado para a distribuição no território também estamos fazendo parceria com as lideranças para ajudar e facilitar o acesso de todos aos alimentos.

Normalmente o presidente ou vice-presidente da associação da comunidade de remanescente quilombola recebe pela família que não pode ir durante a ação, e depois realiza essa entrega e coleta as assinaturas”, explicou Uira de Freitas Alves, Sociólogo da Secretaria de Assistência Social.

Sendo assim, um representante da comunidade fica responsável por fazer a distribuição para as famílias que não conseguirem ir no dia e hora marcada para a distribuição no território e contribui com o registro no formulário de prestação de contas.

Botão Voltar ao topo