World Surf League decide os títulos mundiais da Júnior nos EUA

Cauã Costa bicampeão sul-americano em 2021 e 2022 (Foto: Daniel Smorigo/ Saquarema Festival)

A World Surf League decidirá os últimos títulos mundiais da temporada 2022, de 9 a 15 de janeiro nos Estados Unidos.

Depois de 2 anos sem ser realizado por causa da pandemia, o Sambazon World Junior Championships hosted by Best Western marca o retorno da disputa dos títulos da categoria para surfistas com até 20 anos de idade, nas ondas de Seaside Reef, em San Diego, na Califórnia.

Serão 24 desafiantes aos títulos em cada categoria, com 4 representantes da América do Sul na feminina e 2 na masculina.

O Brasil é recordista de títulos na competição masculina, com nove vitórias nas 21 edições já disputadas. Inclusive, ganhou as duas últimas realizadas em Taiwan, com Mateus Herdy em 2018 e o também catarinense Lucas Vicente em 2019.

O cearense Cauã Costa e o paulista Ryan Kainalo vão tentar o décimo título verde-amarelo esse ano, na estreia da Califórnia como palco do Mundial Pro Junior da World Surf League. Na feminina, serão quatro participantes, as peruanas Sol Aguirre e Daniella Rosas e as brasileiras Laura Raupp e Luana Silva.

O Sambazon World Junior Championships hosted by Best Western será disputado no formato para 24 competidores em cada categoria. São dois classificados pelos rankings regionais dos sete escritórios da World Surf League no mundo e dez convidados pela WSL.

Nas quatro etapas da WSL Latin America válidas para o ranking de 2021/2022, Sol Aguirre conquistou um incrível quarto título sul-americano Pro Junior e Cauã Costa festejou o bicampeonato consecutivo. Ryan Kainalo e Laura Raupp ganharam as outras vagas da WSL Latin America, enquanto Daniella Rosas e Luana Silva foram duas das dez convidadas pela WSL.

Entre as outras oito convidadas, três são dos Estados Unidos e dois nomes se destacam, Kirra Pinkerton e Alyssa Spencer. Kirra foi a campeã mundial de 2018, junto com Mateus Herdy, e Alyssa perdeu a final de 2019 para a japonesa Amuro Tsuzuki.

Na lista dos dez convidados do masculino, não tem ninguém da América do Sul e quatro são norte-americanos. Entre eles, está Kade Matson, vice-campeão na decisão do título de 2019, contra Lucas Vicente.

Mateus Herdy e Lucas Vicente aumentaram para nove o recorde de títulos brasileiros na história do Mundial Pro Junior.

Eles repetiram em 2018 e 2019, o bicampeonato consecutivo do Brasil em 2003 e 2004, quando Adriano de Souza e Pablo Paulino ganharam seus primeiros títulos mundiais na World Surf League. O cearense Pablo Paulino também venceu em 2007, porém nunca conseguiu entrar na elite do Championship Tour, como a maioria dos campeões.

HISTÓRIA DO MUNDIAL JUNIOR – A história do Mundial Pro Junior da WSL foi iniciada em 1998 no Havaí, com o havaiano Andy Irons (in memoriam) ganhando o primeiro título.

O australiano Joel Parkinson venceu o segundo em 1999 e o carioca Pedro Henrique já incluiu o Brasil na lista em 2000. No ano seguinte, a disputa do título mudou para a Austrália, onde Adriano de Souza foi campeão em 2003 e Pablo Paulino bicampeão em 2004 e 2007.

O Brasil voltou a festejar o título com Caio Ibelli ganhando o circuito das três etapas de 2011, disputadas na Indonésia, Brasil (Praia do Arpoador, Rio de Janeiro) e Austrália.

Dois anos depois, Gabriel Medina conquistou seu primeiro troféu de campeão mundial no HD World Junior Championship 2013, na única decisão de título no Brasil, na Praia da Joaquina, em Florianópolis (SC). No ano seguinte, o fenômeno se tornou o primeiro brasileiro campeão mundial do WSL Championship Tour.

Naquele mesmo ano de 2014, o hoje campeão olímpico, Italo Ferreira, foi vice-campeão na final com o português Vasco Ribeiro na casa dele.

Mas, em 2015, também em Portugal, o carioca Lucas Silveira conquistou o sétimo título do Brasil. Depois, o Mundial Pro Junior teve mais duas edições na Austrália e o Brasil ganhou as duas únicas disputadas em Taiwan, em 2018 e 2019. Em 2020 e 2021, a competição não foi realizada devido à pandemia e retorna agora com a disputa dos títulos acontecendo pela primeira vez na Califórnia, Estados Unidos.

CLASSIFICADAS PELOS SETE ESCRITÓRIOS REGIONAIS DA WSL:

WSL LATIN AMERICA – Sol Aguirre (PER) e Laura Raupp (BRA)

WSL NORTH AMERICA – Sawyer Lindblad (EUA) e Rubiana Brownell (EUA)

WSL HAWAII / TAHITI – Puamakamae DeSoto (HAW) e Ewelei’ula Wong (HAW)

WSL AUSTRALASIA – Ellie Harrison (AUS) e Sierra Kerr (AUS)

WSL EUROPE – Janire Gonzalez Etxabarri (ESP) e Aelan Vaast (FRA)

WSL ASIA – Anon Matsuoka (JPN) e Nanaho Tsuzuki (JPN)

WSL AFRICA – Gemma Hanafey (AFR) e Louise Lepront (AFR)

SURFISTAS CONVIDADAS PELA WSL:

Luana Silva (BRA)

Daniella Rosas (PER)

Alyssa Spencer (EUA)

Kirra Pinkerton (EUA)

Ella McCaffray (EUA)

Erin Brooks (CAN)

Zahli Kelly (AUS)

Rachel Presti (ALE)

Francisca Veselko (PRT)

Sara Wakita (JPN)

CLASSIFICADOS PELOS SETE ESCRITÓRIOS REGIONAIS DA WSL:

WSL LATIN AMERICA – Cauã Costa (BRA) e Ryan Kainalo (BRA)

WSL NORTH AMERICA – Alan Cleland (MEX) e Tommy Coleman (EUA)

WSL HAWAII / TAHITI – Eli Hanneman (HAV) e Jackson Bunch (HAV)

WSL AUSTRALASIA – Marlon Harrison (AUS) e Lennox Chell (AUS)

WSL EUROPE – Bitor Garitaonandia (ESP) e Noa Dupouy (FRA)

WSL ASIA – Kian Martin (SWE) e Tenshi Iwami (JPN)

WSL AFRICA – Tide-lee Ireland (AFR) e Luke Thompson (AFR)

SURFISTAS CONVIDADOS PELA WSL:

Jett Schilling (EUA)

Kade Matson (EUA)

Taro Watanabe (EUA)

Levi Slawson (EUA)

Brodi Sale (HAV)

Oscar Berry (AUS)

Joel Vaughan (AUS)

Jarvis Earle (AUS)

Adur Amatriain (ESP)

Kauli Vaast (FRA)

CAMPEÕES MUNDIAIS PRO JUNIOR DA WORLD SURF LEAGUE:

2020 e 2021: Cancelado por causa da pandemia do Covid-19

2019: Lucas Vicente (BRA) e Amuro Tsuzuki (JPN) em Taiwan

2018: Mateus Herdy (BRA) e Kirra Pinkerton (EUA) em Taiwan

2017: Finn McGill (HAV) e Vahine Fierro (TAH) na Austrália

2016: Ethan Ewing (AUS) e Macy Callaghan (AUS) na Austrália

2015: Lucas Silveira (BRA) e Isabella Nichols (AUS) em Portugal

2014: Vasco Ribeiro (PRT) e Mahina Maeda (HAV) em Portugal

2013: Gabriel Medina (BRA) e Ella Willians (NZL) no HD World Junior no Brasil

2012: Jack Freestone (AUS) e Nikki Van Dijk (AUS) em Bali, na Indonésia

2011: Caio Ibelli (BRA) e Leila Hurst (HAV) na Indonésia, Brasil, Austrália

2010: Jack Freestone (AUS) e Alizee Arnaud (FRA) na Indonésia e Austrália

2009: Maxime Huscenot (FRA) e Laura Enever (AUS) na Austrália

2008: Kai Barger (HAV) e Pauline Ado (FRA) na Austrália

2007: Pablo Paulino (BRA) e Sally Fitzgibbons (AUS) na Austrália

2006: Jordy Smith (AFR) e Nicola Atherton (AUS) na Austrália

2005: Kekoa Bacalso (HAV) e Jessi Miley-Dyer (AUS) na Austrália

2004: Pablo Paulino (BRA) na Austrália

2003: Adriano de Souza (BRA) na Austrália

2002: não realizado por falta de datas

2001: Joel Parkinson (AUS) na Austrália

2000: Pedro Henrique (BRA) no Havaí

1999: Joel Parkinson (AUS) no Havaí

1998: Andy Irons (HAV) no Havaí

Botão Voltar ao topo