Pesquisa inédita confirma vocação de Ilhabela para receber turistas o ano todo

Share:
Dados coletados durante o mês náutico de julho colaboram no planejamento da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e do Turismo para incrementar atividades em terra e mar também nos meses fora da temporada. (Foto: Divulgação/PMI)

Alta temporada. Baixa temporada. A maioria das estâncias turísticas vivencia essa sazonalidade de forma intensa, com reflexos na comunidade, comércio e poder público. Ilhabela trabalha em projetos para incrementar o turismo durante os 365 dias do ano, com atrações em terra e mar.

São várias frentes, desde trilhas pela reserva de Mata Atlântica e suas cachoeiras, esportes náuticos, atividades como avistamento de baleias e observação de pássaros, sem contar com a valorização da cultura e gastronomia caiçara. Para planejar é preciso mensurar. É isso que a prefeitura executa por meio da análise de pesquisa inédita feita durante o mês náutico de julho.

A pesquisa ouviu 1.000 pessoas no Race Village, espaço de convivência instalado no Centro Histórico da Vila em julho, mês em que são realizados eventos como as tradicionais Semana de Monotipos e Semana Internacional de Vela de Ilhabela.

O estudo foi realizado pelo Observatório do Turismo, sob supervisão da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e do Turismo do município. Entre os números apurados, é possível verificar o acerto em investir em atrações diferenciadas.

Contudo, a prefeitura trabalha para armazenar mais informações a fim de cruzar mais dados. Por isso, mantém em andamento uma nova pesquisa, desta vez, durante o Festival do Camarão, que segue até o próximo domingo (25) nos restaurantes locais e no Boulevard montado na Praça das Bandeiras, aproveitando a estrutura do Race Village.

Preferências no mar – Entre as atividades náuticas, uma tradição em Ilhabela, passeio de escuna e ir à praia são as preferidas, com 94,6% e 74,2%, respectivamente. Porém, a invasão das jubartes no litoral norte paulista nos últimos anos fez crescer o interesse pelo avistamento de baleias, que foi citada como opção por 57,4% das pessoas que responderam sim à pergunta se já haviam passado pela experiência ou têm interesse. Entre os esportes, os campeões são caiaque/stand up paddle (55,4%) e mergulho (52.1%). Pela metodologia do estudo, os pesquisados responderam a todas as perguntas, o que explica os índices que, se somados, ultrapassam 100%.

Atrações em terra
Quando o assunto são as atrações em terra, os 27.025 hectares (ou 270 quilômetros quadrados) do Parque Estadual e suas trilhas e quedas d’água estão no centro das atenções. Do total de entrevistados, 67,4% declararam já ter feito caminhadas ou pretender se aventurar pelo verde de Ilhabela. Em seguida vem os passeios de jeep (64,3%) e pedal (58,3%). Novidade para o verão 2020, o avistamento de pássaros mostra potencial para crescer. Segundo a pesquisa, 35,9% das pessoas se dedicam ou pretendem se dedicar a essa atividade. A expectativa é que esse índice cresça quando o projeto de Birdwatching, que prevê a criação de estrutura específica, incluindo a construção de seis torres no parque seja implantado.

“Baseados em informações precisas, teremos mais e melhores ferramentas para incrementar o turismo de Ilhabela, tanto para os visitantes como para os moradores, que precisam e merecem variadas opções de lazer.

Os resultados comprovam que o slogan Vida Natural está em sintonia com os nossos objetivos e os anseios das pessoas”, avalia a secretária de Desenvolvimento Econômico e do Turismo do município, Bianca Colepicolo, lembrando que Ilhabela tem 40 praias, distribuídas em 130 quilômetros de costa, montanhas e dezenas de cachoeiras cercadas por vegetação nativa em uma das maiores reservas de Mata Atlântica do planeta.

A pesquisa também mensurou dados para entender quem são as pessoas que visitam Ilhabela. Os dados apontam para a fidelidade dos turistas. Isso porque 59,4% dos turistas pesquisados visitaram a ilha mais de cinco vezes. A maioria viaja em família (61,4%) e divide a hospedagem entre hotéis ou pousadas (31%) e casas de amigos (24.6%) e, quando chegam, ficam mais de sete dias (28,3%). O ticket médio diário por pessoa é de R$ 258,00.