Ilhabela realiza a “Hora do Mamaço”

Share:

Evento visa conscientizar sobre a importância da amamentação, reunindo mães que irão trocar experiências e amamentar seus bebês

Amamentar é um ato de amor e uma forte ligação entre mamães e bebês. Por isso, a Prefeitura de Ilhabela, por meio da Secretaria de Saúde e do Projeto Minha Mãe e Eu, realizará, neste sábado (24), a partir das 15h, na Praça da Mangueira, no Perequê, a Hora do Mamaço 2019.

O evento visa conscientizar sobre a importância da amamentação, reunindo mães que irão trocar experiências e amamentar seus bebês. “A alimentação saudável começa nas primeiras horas de vida. O leite materno é o melhor e o mais completo alimento para o bebê. Esse evento e todos os outros do programa ‘Minha Mãe e Eu’ estimulam, ainda mais, os cuidados com as crianças”, declarou a prefeita, Maria das Graças Ferreira, a Gracinha.

“Amamentar é um ato de amor, nutrição, proteção e saúde; é onde nasce e fortalece o vínculo entre mamães e bebês”, diz Antonio Carlos Galanti, coordenador da Atenção Básica de Ilhabela.

A Hora do Mamaço também tem como objetivo incentivar o respeito da sociedade para com a lactante.

Durante o grande ‘mamaço’, haverá vivências da Dança Materna e Pintura de Barriga para grávidas.

Pesquisa

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), a amamentação é uma das formas mais eficazes de garantir a saúde e a sobrevivência dos recém-nascidos. Se toda criança fosse amamentada desde o nascimento até os dois anos, mais de 800 mil vidas seriam salvas anualmente, estimam as entidades.

A OMS e o Unicef recomendam a amamentação imediata após o nascimento e o aleitamento materno exclusivo até os seis meses de vida do bebê. Após o primeiro semestre, deve-se incluir alimentos nutritivos como complementação ao leite. Posteriormente, até os dois anos de vida da criança, o leite materno deverá servir como complemento à alimentação.

O levantamento global de amamentação, que avaliou 194 nações, descobriu que apenas 40% das crianças menores de seis meses são amamentadas exclusivamente (sem nada além de leite materno) e apenas 23 países têm taxas de amamentação exclusiva acima de 60%. No Brasil, 39% das mães amamentam seus filhos exclusivamente até os seis meses de vida, segundo o estudo do Unicef e OMS.