Brasil abre Mundial Paralímpico de Halterofilismo com dois ouros e uma prata na Júnior

Por: Share:
Lucas Manoel comemora medalha no Campeonato Mundial de Halterofilismo Paralímpico, em Nur-Sultan (Cazaquistão) -(Foto: Ivo Felipe/CPB)

O Brasil estreou com duas medalhas de ouro e uma de prata no Mundial Paralímpico de Halterofilismo, em Nur-Sultan, no Cazaquistão. O amazonense Lucas Manoel (divisão até 49kg) e o paulista Marcos Terentino (até 54kg) foram os responsáveis pelas vitórias na categoria júnior, enquanto Vinicius Freitas (até 80kg) ficou em segundo lugar, nesta sexta-feira, 12.

Neste sábado, têm início as disputas das classes adultas do Mundial de Halterofilismo. Lara Aparecida representará o Brasil entre as mulheres com até 41kg, às 2h30 (de Brasília), enquanto o potiguar João Maria de França Júnior estará em ação entre os homens com até 49kg, a partir das 5h30. O Mundial se estende até 20 de julho e conta com 11 representantes brasileiros entre os 488 atletas de 76 países, no Congress Center, moderno complexo inaugurado em 2017.

Lucas Manoel sagrou-se campeão mundial júnior da categoria até 49kg pela segunda vez seguida. Ele já havia subido ao degrau mais alto do pódio na Cidade do México, há dois anos. No país centro-asiático, o atleta de 17 anos foi desafiado pelo jordaniano Mohammad Alshnaiti. Lucas liderava com 121kg erguidos, mas viu seu rival superá-lo por 1kg no último levantamento. A resposta não tardou: Lucas obteve um movimento válido com 126kg na barra em sua chance derradeira.

“A competição foi do jeito que eu gosto, com os atletas muito próximos em termos de marca. Esperava conquistar o bicampeonato e felizmente pude alcançá-lo. Espero continuar evoluindo daqui em diante”, disse Lucas, acometido por uma infecção no fêmur da perna direita no nascimento, o que ocasionou má-formação no membro.

Marcos Terentino também sofreu pressão de um de seus rivais na briga pelo ouro. Após registrar levantamentos de 93kg e 95kg nas duas primeiras tentativas, o brasileiro foi ultrapassado pelo cazaque Zakhar Buimov, que posicionou-se à frente com os mesmos 95kg. Marcos, de 20 anos, não intimidou-se e conseguiu os 96kg necessários para assegurar o segundo ouro brasileiro do dia.

Brasil no Campeonato Mundial Paralímpico de Halterofilismo – treinos da Seleção Brasileira (Crédito: Ivo Felipe/CPB)

“Eu estou muito feliz com a prova que eu fiz hoje. Agradeço a Deus e aos meus treinadores que me ajudaram a chegar nesta conquista. Consegui a medalha de ouro que mostra que eu estou no caminho certo. É uma luta diária que travamos e essa vitória me deixa muito contente”, disse Marcos, que sofreu paralisia infantil no momento de seu nascimento, o que afetou o movimento dos membros inferiores.

Além deles, outros dois brasileiros também estiveram em ação. O mineiro Vinicius Freitas ficou com a medalha de prata na categoria até 80kg. Ele ergueu 116kg e ficou atrás apenas do grego Athanasios Vagenas, que levantou 130kg. Sua conterrânea Lara Aparecida disputou a categoria até 41kg feminina, mas queimou suas três tentativas com 73kg na barra.

Na última edição do Mundial, na Cidade do México, em 2017, o Brasil conquistou quatro medalhas. Foram três pódios na competição júnior, com Lucas Manoel (ouro), Mateus de Assis (prata) e Vitor Afonso (bronze). Houve, ainda, o bronze obtido pelo baiano Evânio Rodrigues, na divisão até 88kg, entre os adultos.