Centro Ambiental Edoardo Bonetti recebe concerto com a soprano Marília Vargas

Por: Share:
Centro Ambiental Edoardo Bonetti promove a arte barroca da corte francesa em concerto especial com a soprano Marília Vargas. (Foto: reprodução/Youtube)

Canções e danças da corte dos reis Luís 13 e Luís 14 vão ditar o ritmo de São José dos Campos no concerto especial “Soupirs mêlés d’amour”, inspirado na riqueza do barroco francês dos séculos 17 e 18. Marcado para 7 de julho, o concerto terá a participação de Marília Vargas, uma das mais respeitadas sopranos brasileiras da atualidade.

Um espetáculo que vai deixar São José dos Campos com uma atmosfera típica do Palácio de Versalhes, nos tempos do Rei Sol.

Realizado e produzido pelo CAEB (Centro Ambiental Edoardo Bonetti), “Soupirs mêlés d’amour” traz ao público um primoroso repertório de canções e danças sob os reinados de Luís 13 (1610 a 1643) e Luís 14 (1643 a 1715), pai e filho que tinham uma enorme paixão pelas artes. O concerto serve também de abertura do Festival de Inverno do CAEB, uma série de eventos ligados à arte e à cultura que ocorrerá em todos os finais de semana do mês de julho.

O evento será no espaço de artes do CAEB, situado à estrada Doutor Bezerra de Menezes 1.250, no Torrão de Ouro, a 10 minutos do centro da cidade. O espetáculo começa às 18h, com ingresso a R$ 60.

Além de Marília Vargas, de volta ao Vale do Paraíba, o concerto vai reunir Silvana Scarinci (arquialaúde), Roger Burmester (guitarra barroca), Raquel Aranha (violino barroco) e os bailarinos Clara Couto e Osny Fonseca, especialistas em dança barroca.

A arte francesa desse período é riquíssima e boa parte dela se desenvolveu no ambiente cortesão. Luís 13 foi compositor e hábil alaudista. Luís 14, bailarino, fundou a primeira instituição de dança, a “Académie Royale de Danse”, que passou a ser o modelo para formar bailarinos profissionais – disse Raquel Aranha, coordenadora de Artes do CAEB. “Algumas das coreografias dançadas pelo Rei Sol foram publicadas em coletâneas de seus mestres, Feuillet e Pécour.”

Muitas canções do período eram escritas em estruturas de dança. Assim, o concerto traz uma combinação de duas artes irmãs: as canções cortesãs, ou airs de cour, em francês, canções estróficas, de delicada sonoridade, de uma combinação vocal e instrumental que fazem lembrar algumas obras da MPB; e as danças palacianas, ou belle danse, praticadas no ambiente da corte, tanto pelos nobres quanto por bailarinos nos séculos 17 e 18. Um exemplo delas? O minueto, uma dança de par caracterizada pela elegância e delicadeza de movimentos.

Com tudo isso, o concerto especial de julho será uma viagem no tempo.

Graças a registros feitos em coletâneas de mestres da dança francesa, a complexa notação coreográfica (conhecida como sistema Beauchamp-Feuillet) e as várias danças do período foram preservadas. Assim é possível realizar uma releitura dessas coreografias nos dias atuais, trazendo para o presente um estilo de dança sustentado pelo refinamento de gestos e movimentos de passos.

Repertório

Canções e Danças da Corte Francesa, séculos 17 e 18.

Compositores: Pierre Guédron (1570 a 1620), Nicolas Vallet (1583 a 1642), Gabriel Bataille (1565 a 1630), Nicolas Vallet (1583 a 1642), Gabriel Bataille (1565 a 1630), Étienne Moulinié (1599 a 1676), Didier le Blanc e Michel Lambert (1610 a 1696).

Coreografias de Mestres de Dança do Luís 14: Louis Guillaume Pécour (1653 a 1729), Raoul Auger Feuillet (1659 a 1710)

Intérpretes
Marília Vargas: soprano
Raquel Aranha: violino barroco
Silvana Scarinci: arquialaúde
Roger Burmester: guitarra barroca
Clara Couto e Osny Fonseca: dança barroca