Projeto do Santuário Nacional abre 200 vagas gratuitas para ensino da música

Share:
Inscrições acontecem de 3 a 29 de junho na sede do PEMSA, em Aparecida. (Foto: Thiago Leon)

O Projeto de Educação Musical do Santuário de Aparecida (PEMSA) abre, na próxima segunda-feira (03), 200 vagas para 14 oficinas de cordas, madeiras, metais, percussão, canto coral e musicalização. As matrículas serão disponibilizadas por ordem de chegada, de acordo com a disponibilidade de cada turma. Podem se inscrever crianças e adolescentes de 7 a 17 anos da região do Vale do Paraíba.

Para a inscrição, os responsáveis devem se dirigir pessoalmente à sede do Projeto, na Rua Oliveira Braga, 80, em Aparecida (SP), próximo da Basílica Velha de Nossa Senhora Aparecida. No local, é possível retirar a lista de documentação e escolher a oficina desejada.

Apesar das inscrições seguirem até o dia 29 de junho, é preciso correr para garantir a vaga em algumas oficinas, cuja procura é maior. “Violino, coral, percussão, violão e guitarra são as oficinas que sempre chamam mais público. Isso faz com que as vagas se esgotem rapidamente”, esclarece a gerente administrativa do PEMSA, Patrícia Filardo.

Dada a alta demanda, 120 das 200 vagas são para a nova oficina de Coral, que se inicia no segundo semestre deste ano. Elas acontecem às terças e quintas-feiras nos períodos da manhã e da tarde, sempre no contraturno escolar. Atualmente outras duas turmas da mesma categoria já são atendidas pelo Projeto às segundas e quartas-feiras.

O Projeto é reconhecido por ter iniciado no mundo musical importantes musicistas, que hoje realizam carreiras nacionais e internacionais. Outra forte marca é o aprendizado por meio de passeios didáticos e apresentações musicais, tanto fechadas, para convidados, quanto abertas ao público em geral.

Mesmo aqueles que não seguem no mundo da música depois de deixar as oficinas não desperdiçam as lições aprendidas. “Além de aprender música, observamos nestes 14 anos que elas se socializam, melhoram a concentração, o raciocínio e as atividades motoras”, destaca Filardo.