Artista indígena visita a Casa Brasileira em São Sebastião

Share:
(Foto: Divulgação)

O artista visual, escritor e produtor cultural indígena Jaider Esbell, ganhador do PRÊMIO PIPA, estará na CASA BRASILEIRA, no centro de São Sebastião, no próximo dia 24, para um encontro com artistas, estudantes e educadores e para visitar a exposição de suas obras, às 15h.

O artista assina a criação dos desenhos de O Xamã Devolve a Vida, com coloração digital do fotógrafo Marcelo Camacho, e que estão em exposição na CASA BRASILEIRA juntamente com duas telas da série Transmakunaima e os painéis A Árvore de Todos os Saberes e Pata Ewa’n.

Com realização do INSTITUTO MPUMALANGA/CASA BRASILEIRA e apoio da Estação Casa Amarela e da Galeria Jaider Esbell, a exposição O Xamã Devolve a Vida foi inaugurada dia 18 abril de 2019 e segue até 02 de junho, com visitação gratuita, na av. Dr. Altino Arantes, 80, rua da Praia.

O roraimense Jaider Esbell, do povo Makuxi do município de Normandia, recebeu seu primeiro prêmio de arte ainda adolescente, em 1994, no Concurso de Desenhos para Catequistas Indígenas na aldeia Kanauanin. A partir daí, nunca mais parou. Sua obra intercala pintura e literatura. Foi premiado no Concurso de Poesias do Sesi e pela Funarte/MinC de Criação Literária. É autor dos livros “Terreiro de Makunaima – Mitos, Lendas e Estórias em Vivências” e “Tardes de Agosto, Manhãs de Setembro, Noites de Outubro”.

Arte ativista, Esbell realiza exposições de arte e itinerâncias culturais no Brasil e no exterior. Foi convidado em 2013 para dar aulas no Pitzer College, Califórnia-EUA, onde realizou a exposição “Vacas da Amazônia – De Malditas a Desejadas”.
De volta ao Brasil, lançou o projeto “A Árvore de Todos os Saberes”, numa expedição à comunidade indígena de Sikamabiu, do Povo Xirixana, no território Yanomami, com os fotógrafos Jorge Macedo e Marcelo Camacho e o cinegrafista Pedro Alencar.

Organizou o projeto “Encontro de Todos os Povos – A Reinvenção do Tempo na Perspectiva dos Netos de Makunaima – Artistas Indígenas de Roraima e suas Cosmovisões em Artes Visuais Contemporâneas”. Em 2016, venceu o PRÊMIO PIPA de artes visuais contemporâneas na categoria on-line. Mantém uma galeria em Boa Vista e um site onde divulga sua produção e a de artistas de outros povos na defesa da cultura e dos territórios indígenas.

Sobre o protagonismo histórico dos artistas indígenas, Jaider diz que é desconsiderado na literatura especializada sobre arte contemporânea: “Não há como falar em arte indígena contemporânea sem falar dos indígenas, sem falar de direito à terra e à vida. Na história da literatura especializada sobre arte contemporânea produzida no Brasil não temos autores artistas indígenas”.

Esbell afirma que é necessário “descontruir conceitos” e partir do princípio de que “indígena e arte são de origem comum e indissociável”, e pergunta: “Como é o encontro ou como é o acesso da arte indígena contemporânea ao sistema de arte geral?”, para responder: “O sistema de arte europeu desconhece e, portanto, não reconhece que entre os indígenas há um sistema de arte com sentidos e dimensões próprios”.

Na abertura da exposição O Xamã Devolve a Vida, na CASA BRASILEIRA, Jaider estava em viagem à Europa, onde entregou a Carta dos Povos Indígenas para o Capitalismo a executivos da UBS Group AG, uma das principais empresas globais de gestão de fortunas, com sede na Suíça, numa performance pública no dia 03 de abril. http://www.jaideresbell.com.br/site/2019/04/03/carta-dos-povos-indigenas-para-o-capitalismo/

“O XAMÔ – texto de Jaider Esbell

“Reúne todas as forças e não duvide, desvia tempestades. Só de pensar me encho de arrepios e essa força queremos que também sinta. Antes de qualquer idolatria é de linhagem que vêm os jardineiros do eterno. Eles já estão lá e de lá trazem a própria tecnologia; o sopro, a fuga do tempo, a desfaçatez da matéria, o poder de cuidar da alma com a vida, o trabalho das plantas pelo humano.

Não esperam retorno e conhecem o efeito, a maldade do semelhante. Param essas forças com outras, no ar, cruzando, miram o infinito e jogam para outra dimensão o indesejado. Dançam como espetáculo, bailam como linguagem, seguindo um voo, o voo.

Movimento em leveza, a arte é mesmo beleza, cura sem cicatriz. O Xamã. Era noite e tinham 7, suas mãos em minhas costas eram quentes. Eles me tocaram, vi o outro ser em seus olhos e me entreguei no sopro, tremulando para acordar reposto do transe cirúrgico, sem explicação. Amazônia, século XXI.”

Jaider Esbell – mensagem aos parentes indígenas:
“Que cuidemos sim de nossa espiritualidade, que recolhamos nosso lixo, respeitemos sempre os mais velhos e honremos crianças e mulheres. Que estudem como puderem, conheçam suas histórias, suas trajetórias e se permitam viver plenamente no mundo como um palco comum, único e maravilhoso de conquistas honestas.”

Sobre a ECA:

A Estação Casa Amarela, fundada em 2016, inicialmente promoveu atividades voltadas a arte, cultura e educação. Nas três Edições anteriores, a Galeria Flamboyant da Estação Casa Amarela recebeu cerca de 23 exposições e inúmeras atividades culturais, obtendo mais de 2.000 visitações, aproximando o público da arte e do artista que a criou.

Mais Informações nas páginas do Facebook e Instagram da Estação Casa Amarela ou da Elda ECA. Entre em contato pelos telefones (12) 3652-6103 e (12) 99116-2784.