Scheidt garante vaga na flotilha ouro do tradicional Troféu Princesa Sofia, na Espanha

Share:
No retorno às grandes competições internacionais na classe Laser, bicampeão olímpico se classifica entre os melhores em Palma de Mallorca e a partir desta quarta-feira (3), inicia a disputa por lugar na medal race. (Robert em ação em Palma (Jesus Renedo/SAILING)

Robert Scheidt garantiu vaga na flotilha ouro da classe Laser no Troféu Princesa Sofia, em Palma de Mallorca, na Espanha. A partir desta quarta-feira (3), os velejadores com os resultados mais consistentes após as provas iniciais são agrupados a fim de competir por um lugar na medal race, programada para sábado (6). “Serão disputas cada vez mais difíceis, pois agora os melhores estarão lado a lado. Vou manter o foco e tentar melhorar sempre um pouco mais. Contudo, posso dizer que, considerando o tempo em que estive afastado das competições, esses primeiros dias foram bem positivos”, explicou o bicampeão olímpico.

A avaliação de Scheidt leva em conta o pouco tempo de preparação – dois meses – e distância da última grande competição internacional da Laser – os Jogos do Rio, em 2016. Desta forma, as duas oitavas colocações na abertura das disputas em Palma, a nona e 14ª colocações desta terça-feira (2) são considerados satisfatórias.

“Tivemos um dia de evento médio. Depois de cruzar entre os dez primeiros, não fui tão bem na segunda regata. Obviamente tenho que melhorar alguns pontos da minha velejada, mas está sendo um retorno positivo. Vamos em frente que a disputa vai ficar cada vez mais acirrada”, explicou o maior medalhista olímpico da história do Brasil, com cinco pódios, que tem patrocínio do Banco do Brasil e Rolex e apoio do COB e CBVela.

Scheidt se classificou para a flotilha ouro com o 23º lugar na classificação geral, com 25 pontos perdidos. Para dimensionar o grau de dificuldade e alto nível da competição espanhola, o cipriota Pavlos Kontides, campeão mundial em 2017 e 2018, aparece atrás do brasileiro, em 29º, com 29 pontos perdidos. O Troféu Princesa Sofia é a competição com maior número de participantes no calendário internacional de classes olímpicas. Este ano, são mais de 1.200 velejadores, de 68 países.

O Troféu Princesa Sofia é o primeiro grande teste para Scheidt após decidir fazer campanha para a Olimpíada de Tóquio, em 2020. Em Palma de Mallocar, o velejador conseguiu se manter entre os melhores em uma disputa que está reunindo mais de 190 barcos. “O primeiro objetivo é conseguir velejar bem em 2019 e conquistar a vaga para representar o Brasil na Olimpíada. Esse é o meu foco agora. Atualmente, ainda não estou com o pensamento em Tóquio. Penso em velejar melhora cada dia e entrar em ritmo na Laser para buscar a classificação”, garante o atleta de 45 anos.

O bicampeão olímpico busca a sexta medalha olímpica, a quarta na classe Laser, na qual acumula os ouros em Atlanta/1996 e Atenas/2004 e uma prata (Sidney/2000). Se conseguir a classificação, Scheidt será o recordista brasileiro em participações em Olimpíadas, com sete no currículo. Após o Troféu Princesa Sofia, Scheidt seguirá para outras competições importantes. Neste mês de abril, participa do Campeonato Europeu, em Hyères, na França. Na sequência, vai disputar o Mundial no Japão, a partir de 3 de julho.

Equipe verde-amarela – O Brasil tem 22 velejadores na 50ª edição do evento. Além de Robert, a Equipe Brasileira de Vela reúne nomes de peso como as campeãs olímpicas Martine Grael e Kahena Kunze (49er FX), as medalhistas olímpicas Fernanda Oliveira (470 feminina) e Isabel Swan (Nacra 17), e o campeão mundial Jorge Zarif (Finn). Por outro lado, a delegação tem estreantes como Giovanna Prada, da RS:X feminina, de 17 anos. A filha de Bruno Prada (companheiro de Robert Scheidt na conquista de duas medalhas olímpicas na classe Star) prepara-se para o Mundial de Vela Jovem, em julho.

Maior atleta olímpico brasileiro

Cinco medalhas:
Ouro : Atlanta/96 e Atenas/2004 (ambas na classe Laser)
Prata : Sidney/2000 (Laser) e Pequim/2008 (Star)
Bronze : Londres/2012 (Star)

180 títulos – 88 internacionais e 92 nacionais, incluindo a Semana Internacional do Rio, o Campeonato Brasileiro de Laser e a etapa de Miami da Copa do Mundo, todos em 2016. Em novembro de 2017, pela Star, conquistou a Taça Royal Thames e, neste domingo, o Paulista de Star.

Laser
– Onze títulos mundiais – 1991 (juvenil), 1995, 1996, 1997, 2000, 2001, 2002*, 2004 e 2005 e 2013
*Em 2002, foram realizados, separadamente, o Mundial de Vela da Isaf e o Mundial de Laser, ambos vencidos por Robert Scheidt
– Três medalhas olímpicas – ouro em Atlanta/1996 e Atenas/2004, prata em Sydney/2000

Star
– Três títulos mundiais – 2007, 2011 e 2012*
*Além de Scheidt e Bruno Prada, só os italianos Agostino Straulino e Nicolo Rode venceram três mundiais velejando juntos, na história da classe
– Duas medalhas olímpicas – prata em Pequim/2008 e bronze em Londres/2012