Projeto Garoupas ao Mar prevê soltura de 20 mil alevinos na Costa do Litoral Norte

Por: Share:
(Foto: Ronald Kraag)

Promover o repovoamento de peixes marinhos com a soltura de 20 mil garoupas verdadeiras (Epinephelus marginatus – espécie ameaçada de extinção) na chamada costa Maembipe da Área de Preservação Ambiental Marinha do Litoral Norte (APA Marinha) – mar aberto, próximo à região oeste de Ilhabela.

Esta é proposta da Associação Ambientalista Terraviva (Atevi), que desde 2006 desenvolve ações para a conservação dos oceanos e desenvolvimento social das comunidades costeiras no Brasil.

O Projeto, embora comum em água doce e rios, é inédito com garoupas no Brasil e começa a tomar forma após anos de pesquisa desde a produção de alevinos e estudos de avaliação de soltura de garoupas.

De acordo com Claudia Kerber, veterinária responsável e presidente da Atevi, há muito se fazem necessárias ações para reequilibrar as degradações ambientais, sobretudo no mar.

Dessa forma, o repovoamento, assim como o defeso, são ferramentas importantes para garantir o colapso e até mesmo o esgotamento da sobrevida marinha.

“Nossa intenção é soltar 20 mil alevinos marcados geneticamente, que serão acompanhados por dois anos até a fase de maturidade sexual, período em que se inicia a nova geração de filhotes”, explica.

Os peixes estarão protegidos da pesca pela legislação e serão soltos em uma Área de Preservação Ambiental, tudo para garantir a efetividade do repovoamento. Cláudia salienta ainda que a escolha da garoupa se deu porque é possível obter alevinos saudáveis e perfeitos produzidos em cativeiro, é uma espécie ameaçada de extinção e também porque a garoupa tem uma grande influência e importância na saúde dos  mbientes de corais da região.

Além da veterinária, a equipe da Atevi é formada por biólogos, mergulhadores e técnicos em aquicultura. O Projeto conta com a parceria do Instituto de Pesca de São Paulo, Laboratório de Genética de Peixes da Universidade de Mogi das Cruzes, Redemar Alevinos, APA Marinha do Litoral Norte Paulista e Prefeitura Municipal de Ilhabela.

Laboratório
As garoupas tem crescimento lento, e podem chegar até 60 quilos aos 60 anos de vida. Este é um dos fatores que contribuem para o risco de extinção.

A produção de alevinos em laboratório é fundamental para garantir a sobrevivência da espécie, fornecendo formas jovens para aquicultura e repovoamento em locais onde já desapareceu ou onde suas populações estão comprometidas.

No caso da Atevi, para chegar aos alevinos saudáveis e perfeitos, foram muitos anos de tentativas e estudos e mais de 60 ensaios até conseguir fechar o protocolo. Hoje, o Laboratório montado na região sul de Ilhabela é referência para vários países e universidades, recebendo, também, estudantes locais para ações de educação ambiental.

O Projeto Garoupa, uma das primeiras atividades realizadas pela instituição, foi contemplado pela Seleção Petrobras Ambiental em 2012, devido aos bons resultados.

Além da melhoria de produção de alevinos de garoupas verdadeiras em cativeiro, a equipe também pode fazer o reconhecimento de habitats de garoupa verdadeira na natureza, iniciar os primeiros estudos de avaliação do potencial de repovoamento, com aplicação de chips para o acompanhamento da sobrevivência no ambiente natural, via telemetria marinha, e que finalmente resultou no Projeto “Garoupas ao Mar”.

Financiamento Coletivo
Para garantir a soltura das garoupinhas, a Atevi lançou uma campanha de financiamento coletivo, onde as pessoas fazem a doação por meio de uma plataforma de financiamento na internet, que garante recompensas para quem colaborar com a iniciativa, que vão desde visitas monitoradas ao Laboratório, camisetas, mergulhos e até um curso de produção de alevinos
de peixes marinhos, que não existe no Brasil. Mais informações podem ser obtidas no site da instituição: www.atevi.org.br.

Veja também