Racismo é tema do Aparecida Debate

Por: Share:
O Aparecida Debate inicia o programa partindo da história do Brasil, que foi o último País a abolir a escravidão. (Foto: Divulgação / TV Aparecida)

Vai ao ar nesta quarta-feira (21), às 21h45, o quarto programa da série 2018 do Aparecida Debate. Sob o comando do jornalista Marcelo Zanini, a produção da TV Aparecida desta semana vai falar sobre “Racismo”, importante tema nesta semana em que se comemora a Consciência Negra.

As consequências desse ato criminoso, canais de denúncia e a legislação que pune atos contra os afrodescendentes são algumas das discussões dessa atração. Os convidados são: Juliana Gonçalves, jornalista e ativista dos Direitos Humanos com foco em raça e gênero, e Alê Santos, pesquisador e autor de Cultura Afroamericana.

O Aparecida Debate inicia o programa partindo da história do Brasil, que foi o último País a abolir a escravidão. O processo de abolição aqui foi gradual, indo desde a Lei Eusébio de Queirós, de 1850 até a Lei Áurea, em 1888, cujo fato histórico trouxe profundas marcas na sociedade brasileira.

E o Aparecida Debate ressalta que algumas conquistas do Movimento Negro apareceram oficialmente amparadas pelo Estado, tais como a criação da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, diretamente vinculada à Presidência da República.

O programa também vai expor as consequências legais ocasionadas por atos de discriminação por raça e cor, considerados crimes no Brasil desde 1989, quando entrou em vigor a Lei 7.716, a chamada Lei Caó – homenagem ao seu autor, o então deputado e ativista do movimento negro, Carlos Alberto de Oliveira.

Finalizando, o jornalístico vai dar os canais de denúncia específicos para o crime de racismo.

Convidados
Juliana Gonçalves: jornalista e ativista dos Direitos Humanos com foco em raça e gênero. Ela faz parte da Marcha das Mulheres Negras de São Paulo e também da Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial de São Paulo.

Alê Santos: pesquisador e autor de Cultura Afroamericana, escritor, além de consultor em gamificação. É conhecido pelas narrativas com personagens negros e de cultura africana, com milhões de visualizações nas redes sociais.

Recomendados para você