São José dos Campos recebe 20ª edição Competição SAE BRASIL AeroDesign

Por: Share:
Equipes participantes da 19ª Edição do Aerodesign. (Foto: Sérgio Fujiki)

Do total de 95 equipes inscritas, 60 competem na categoria Classe Regular; 10 na Classe Advanced e 25 na Classe Micro. Ao todo 79 instituições de ensino de 20 estados, mais o Distrito Federal, estão representados na competição, que conta também com duas equipes da Venezuela.

O Estado líder em participações é São Paulo, com 25 equipes, seguido de Minas Gerais, com 18, e Rio Grande do Sul, sete. Santa Catarina será representada por seis equipes, enquanto que Paraná será representado por cinco equipes. Bahia, o Distrito Federal e Rio de Janeiro contarão com quatro equipes cada um e Pernambuco será representado por três equipes. Espírito Santo, Maranhão, Pará, Paraíba, Rio Grande do Norte virão com duas equipes cada e, por fim, Amazonas, Ceará, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Piaui e Sergipe serão representados por uma equipe.

Organizado pela Seção Regional São José dos Campos, o Projeto SAE BRASIL AeroDesign é um programa de fins educacionais que tem como objetivo propiciar a difusão e o intercâmbio de técnicas e conhecimentos de engenharia aeronáutica entre estudantes e futuros profissionais da engenharia da mobilidade, por meio de aplicações práticas e competição entre equipes, formadas por estudantes de graduação e pós-graduação de Engenharia, Física e Tecnologia relacionada à mobilidade. A Competição é realizada anualmente desde 1999.

“Os programas estudantis da SAE BRASIL são uma experiência extracurricular que faz diferença na formação do engenheiro, pois introduzem a aplicação prática e sistêmica da tecnologia, desafiam a criatividade e a inovação, além de estimular o trabalho em equipe”, afirma o engenheiro Mauro Correia, Presidente da SAE BRASIL.

A competição conta com o patrocínio das empresas Airbus, Embraer, GE, Liebherr Aerospace, Parker, Rolls-Royce, United Technologies. Apoiam o Projeto instituições de grande relevância como os Ministérios da Educação (MEC) e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), o Instituto Federal de São Paulo (IF SP) e a Prefeitura de São José dos Campos

A competição – As provas são realizadas em duas etapas. Na Competição de Projeto, as equipes realizam apresentações orais sobre de seus projetos para a Comissão Técnica da Competição, integrada por engenheiros da indústria aeronáutica, que trabalham como voluntários durante o evento. Na Competição de Voo, os aviões passam por baterias de voos e devem ser capazes de decolar e transportar cargas sempre crescentes, até as condições limite do projeto.

Ao final da Competição, duas equipes da Classe Regular, uma da Advanced e uma da Classe Micro, que obtiverem as melhores as pontuações, ganharão o direito de representar o Brasil na SAE Aerodesign East Competition, que acontece em março de 2019, nos EUA, onde equipes brasileiras acumulam histórico expressivo de participações: oito primeiros lugares na Classe Regular, quatro na Classe Advanced e um na Classe Micro. A SAE Aero Design East Competition é realizada pela SAE International, da qual a SAE BRASIL é afiliada.

Na Classe Regular, os aviões deverão ter dimensões compatíveis com o espaço definido por um cone. Para 2018, o cone tem diâmetro de 2,9 metros e altura de 75 centímetros. Além disso, as aeronaves estão liberadas para transportar como carga útil materiais de quaisquer tipo e dimensões – exceto chumbo. A categoria segue restrita a aeronaves monomotores.

Na Classe Advanced, permanece o desafio de avançar no conteúdo de eletrônica embarcada. Além do tempo de voo, os sistemas a bordo deverão computar a velocidade, que será usada na soma da pontuação de voo. Quando carregadas, as aeronaves não deverão exceder 30 kg. Permanece opcional a escolha do tipo de propulsão (combustão ou elétrica). A única restrição relativa à motorização é a somatória de área total das hélices multiplicada pelo número de pás, que não poderá ultrapassar 0,206 m². A exemplo da Classe Regular, as aeronaves poderão transportar como carga útil materiais de quaisquer tipos e dimensões, exceto chumbo.

Na Classe Micro, permanece a possibilidade de lançar a carga durante os voos com o uso de paraquedas para aumentar a pontuação da equipe, em adição ao simples alijamento da carga, novidade implantada no ano passado. Nesta categoria não há restrição de geometria ou número de motores – todos elétricos –, porém as equipes devem que ser capazes de desmontar o avião depois dos voos e transportar a aeronave desmontada em caixa de volume de 0,1 m³. A carga útil segue a mesma especificação das outras duas categorias.

Torneio de Acesso – A SAE BRASIL criou o Torneio de Acesso, para participação à distância por meio do envio de vídeo de voo e plantas técnicas. O ingresso é obrigatório caso a equipe que não tenha sido sorteada para este ano deseje competir ano que vem em São José dos Campos. As três primeiras equipes colocadas receberão troféus ao final do Torneio de Acesso. O Torneio, como o próprio nome diz, será uma fase classificatória para as novas equipes e para as que não se desempenharam bem na Competição SAE BRASIL Aerodesign.

Serviço:
Dia 01/11
– das 9h às 17h – solenidade de abertura, showroom dos projetos e apresentações orais das equipes no ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) – Prédio de Computação e de Aeronáutic.

Dias 02, 03 e 04 – das 7h00 às 18h – Competição de voo no Aeroporto do DCTA (Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial) – aberta ao público. Entrada pela Avenida Faria Lima, ao lado do MAB, em São José dos Campos/ SP.

Veja também