Frederico Batalha estreia coluna “Falando em Esporte” no PortalR3

Por: Share:
Frederico Batalha é graduado em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Universidade Braz Cubas (Mogi das Cruzes). (Foto: Arquivo Pessoal)

Nesta coluna inicial, gostaria de agradecer ao amigo Luis Claudio Antunes pelo espaço cedido para que eu possa promover uma reflexão esportiva junto aos leitores do PortalR3, que realiza um grande trabalho de informação, prestação de serviço e entretenimento aos moradores das ricas e importantes cidades do Vale do Paraíba e região, especialmente Pindamonhangaba.

Quando falamos em Esporte, costumo dividir em formação, prática regular e o alto rendimento. Mas, o que quero abordar neste momento é, justamente, a formação, ou seja, o necessário, importante e o salutar trabalho de iniciação esportiva do atleta, seja qual for à modalidade escolhida. E, o primeiro grande passo precisa ser dado pelos pais ou responsável pela criança, incentivando a prática sadia de esporte e fazendo a inscrição do jovem em uma escola, preferencialmente, localizada perto da sua residência para facilitar o levar e buscar.

Essa escola de esporte precisa contar com profissionais gabaritados e graduados, aptos a fazer o desenvolvimento esportivo – físico, intelectual e motor – do aluno. Só assim, se pode pensar no crescimento gradual e constante. Vale ressaltar que no início da prática, a atuação do professor é extremamente importante para cativar e fazer com que o jovem crie amor e vínculo com a modalidade.

Certa vez acompanhei o trabalho de formação de uma equipe inicial de futebol de salão (futsal), em um clube tradicional da zona sul da cidade de São Paulo (SP) e fiquei extremamente decepcionado com a atuação do professor, que após alguns poucos treinos, promoveu um campeonato interno. E, essa escolha, a meu ver, foi equivocada, já que nem todos os alunos estavam preparados para disputar uma competição, mesmo que interna e pequena. Creio que o professor deveria ter buscado, em primeiro plano, um nivelamento dos seus alunos, para depois partir para uma disputa. Resultado desta ação: vários garotos abandonaram a prática.

Neste mesmo clube, entretanto, havia um professor de judô, que utilizava uma metodologia bem diferente para os garotos que estavam iniciando a prática. Seus métodos de ensino eram lúdicos, claros e o lidar com os garotos e garotas era ponderado e educativo. Resultado desta ação: tatame lotado, com novas turmas surgindo constantemente.

O professor de iniciação esportiva precisa lembrar que o aluno está em fase de formação, por isso, os valores (éticos, morais, hierárquicos, entre outros) devem e precisam ser passados aos praticantes, já que serão úteis para o resto da vida do jovem. É preciso se ter em mente que o esporte é uma eficaz ferramenta de socialização, modelação de caráter, conviver com vitórias e derrotas, além das frustrações, e sem falar na propagação da saúde.

Com toda a certeza, nem todos os alunos da ‘escolinha’ seguirão uma carreira esportiva profissionalmente, na verdade esse é um caminho árduo, por isso, extremamente seleto. Mas, todos irão carregar consigo os ensinamentos recebidos ao longo dos treinamentos e práticas pelo resto de suas vidas.

Você leitor, concorda comigo? Sim ou não? O meu endereço de e-mail é este: fredericobatalha@uol.com.br … Fique a vontade para escrever, a ideia é mesmo criar um saudável debate sobre as mais diversas questões esportivas.

Fique com Deus e até a próxima!

• Frederico Batalha é graduado em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Universidade Braz Cubas (Mogi das Cruzes)