Campos do Jordão apresenta a Mostra “O Mito Greta Garbo”

Por: Share:

PortalR3Neste mês de maio o Cineclube Araucária, com o apoio do Programa de Ação Cultural do estado de São Paulo – ProAC e em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura, a Associação dos Amigos de Campos do Jordão – AMECampos, a Oficina de Artes Rosina Pagan, a Escola Estadual de Vila Albertina e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – Campus Campos do Jordão, rende homenagem a uma das personalidades femininas mais marcantes da história da Sétima Arte: Greta Garbo.

O mito em torno da sua figura se deve não apenas à beleza e ao talento expostos nas telas de todo o mundo de modo singular, principalmente através das suas interpretações de personagens exuberantes como Rainha Cristina, Camille, Mata Hari, Ninotchka e Anna Karenina, mas também pela personalidade enigmática que somente as verdadeiras divas conseguiram desenvolver.

Aposentada aos 36 anos, no auge da beleza e cultuada por todos, a atriz mais bem paga de Hollywood soube se transformar no maior mistério que a Cinema já produziu. “Quero estar só” foi a única explicação que deu para o seu confinamento em um apartamento de Nova York próximo ao East River, onde viveu durante décadas, até a sua morte aos 84 anos, no dia 15 de abril de 1990. Por essas e outras razões, é mais do que merecida a homenagem que o Cineclube Araucária presta ao mito Greta Garbo.

Vale a pena uma rápida leitura na biografia da atriz que se encontra disponível na Biblioteca de Cinema de Campos do Jordão, localizada ao lado do Memorial Cine Glória, no piso superior do Espaço Cultural Dr. Além – Av. Dr. Januário Miráglia, 1582 – Abernéssia – Campos do Jordão (SP).

Greta Garbo, como se tornou conhecida, nasceu em Estocolmo, Suécia, em 18 de setembro de 1905, com o nome de Greta Lovisa Gustafsson. Por nada no mundo se poderia imaginar que Greta se tornaria a musa de Hollywood nas décadas de 30 e 40. Ela pertencia a uma família humilde e, quando tinha apenas quatorze anos, seu pai faleceu, obrigando-a a trabalhar em uma barbearia. Porém, quando foi trabalhar como vendedora sua beleza foi notada, tendo sido convidada para ser modelo fotográfico. Em pouco tempo sua vida iria se modificar de forma inimaginável e ela se tornaria uma das mulheres mais marcantes de toda a história do cinema universal.

21 de maio – quinta-feira – 19h30

A Mostra O Mito Greta Garbo começa com a exibição do primeiro filme estrelado pela atriz nos Estados Unidos, no qual divide a cena com o então principiante Clark Gable: Susan Lenox (Helga’s Fall and Rise), de Robert Z. Leonard (EUA). O longa conta a história de Helga Ohlin, uma órfã criada em um lar abusivo. Sua família a promete em casamento para um palhaço de circo, mas ela foge e encontra Rodney Spencer, um arquiteto a caminho da fazenda de sua família. Seu pai a encontra e ela consegue fugir novamente, se juntando como dançarina a uma trupe de circo, com o nome de Susan Lenox. Ela reencontra Rodney, mas um mal entendido os separa de novo e ela segue cometendo loucuras. Classificação indicativa: 14 anos.

22 de maio – sexta-feira – 19h30

Será a vez de Mata Hari (Mata Hari), de George Fitzmaurice (EUA), a mais ousada interpretação dada pela então mais nova super estrela fabricada em Hollywood. O filme é a cinebiografia de uma exótica dançarina acusada de trabalhar como espiã para o governo alemão durante a primeira guerra mundial. Classificação indicativa: 14 anos.

23 de maio – sábado – 19h30

A sessão fica por conta da exibição do filme Rainha Christina (Queen Christina), de Rouben Mamoulian (EUA), considerado unanimemente pela crítica internacional como o melhor filme estrelado por Greta Garbo. Trata-se da história de Cristina que assumiu o trono da Suécia aos cinco anos de idade. Sua Fidelidade ao país e ao seu povo a tornaram umas das mais populares figuras do século XVII. No seu reinado a Suécia conheceu um período de franco desenvolvimento, especialmente depois da guerra dos 30 anos. Pressionada por seus conselheiros a se casar por interesse, ela prefere abdicar e se apaixona pelo embaixador da Espanha. Na época, um grave problema se coloca: ela é protestante e ele católico. Classificação indicativa: 14 anos.

24 de maio – domingo – 15h

O pássaro azul (The Blue Bird), de Walter Lang, com Shirley Temple e Eddie Collins (EUA) o filme foi considerado como a resposta da Fox Filmes ao Mágico de Oz produzido pela Metro no ano anterior. Essa clássica história sobre os poderes da natureza é a primeira investida de Shirley Temple no cinema. Trata-se da saga de Mytyl e Tyltyl, dois irmãos que são levados ao passado e ao futuro numa encantadora viagem em busca do pássaro azul da felicidade. Classificação indicativa: Livre

24 de maio – domingo – 18h

Para dar um desfecho à altura do Mito Greta Garbo a Mostra exibe o longa Fala Greta Garbo (Garbo Talks), de Sidney Lumet (EUA). Uma deliciosa homenagem de Lumet à sua estrela maior. O filme conta a história de Estella Rolfe, uma veterana ativista de causas sociais. Ao descobrir que tem pouco tempo de vida por conta de um tumor inoperável no cérebro, Estella delega ao seu único filho a missão de trazer Greta Garbo para uma conversa amistosa com ela no seu quarto de hospital. Classificação indicativa: 14 anos.

A Mostra O Mito Greta Garbo acontece de 21 a 24 de maio, no Espaço Cultural Dr. Além (antigo Cine Glória de Campos do Jordão) com curadoria e realização do Cineclube Araucária.

Serviço

Mostra: O Mito Greta Garbo

Data: de 21 a 24 de maio de 2015

Horário:

De quinta a sábado: 19h30

Domingo: 15h – O pássaro azul

Domingo: 18h – Fala Greta Garbo

Local: Espaço Cultural Dr. Além

End.: Av. Dr. Januário Miráglia, 1582 – Abernéssia – Campos do Jordão – SP

Entrada franca

VEJA TAMBÉM