São José dos Campos intensifica luta contra o mosquito da dengue




No final do segundo arrastão, realizado no sábado (7), o carro do fumacê passou nas ruas, concluindo o trabalho contra a dengue. (Foto: Antônio Basílio/PMSJC)

No final do segundo arrastão, realizado no sábado (7), o carro do fumacê passou nas ruas, concluindo o trabalho contra a dengue. (Foto: Antônio Basílio/PMSJC)

Em apenas um dia, a Prefeitura de São José dos Campos recolheu mais de 21 toneladas de objetos e materiais que poderiam acumular água e se tornar criadouros do mosquito da dengue. Esse é o resultado do segundo arrastão nos bairros da região central da cidade, realizado no sábado (7). Somadas as duas ações, o volume de lixo retirado das casas chega a 40 toneladas.

publicidade

Durante o arrastão, os agentes entraram nas casas para aplicar o larvicida, orientar e ajudar os moradores a recolher do quintal os objetos que poderiam se representar criar condições para a ocorrência da dengue. No final, o carro do fumacê passou nas ruas, concluindo o trabalho.

A ação, que superou as expectativas, faz parte da operação “São José na guerra contra a dengue”, lançada na semana passada pelo prefeito. “Retiramos muito lixo e entulho das casas, e concluímos com sucesso o arrastão da região central, que consumiu dois sábados de trabalho. Valeu à pena. Agora, outras regiões serão atacadas”, disse a gerente do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), Margarete Correia, que coordena os trabalhos de combate à dengue.

Foram mobilizadas cerca de 130 pessoas, entre agentes do CCZ e servidores da Secretaria de Serviços Municipais (SSM). Desta vez, a ação foi nos bairros Monte Castelo, Frei Leopoldo, Vila Progresso, Jardim Paulista, Jardim São José, Vila Ipiranga e Vila São Pedro.

No total, 4.387 casas foram visitadas. Destas, 2.978 foram trabalhadas. Nas demais os agentes tiveram dificuldades de entrar: 1.140 (25,9%) estavam fechadas, 195 imóveis (4,4%) estavam desabitados e em 74 casas (1,68%) os moradores impediram a entrada dos agentes.

Novos arrastões vão ocorrer em outras regiões da cidade. Os bairros do centro foram os escolhidos para os dois primeiros mutirões porque concentram o maior número de casos da doença (123, dos quais 110 são autóctones).

Atualmente, foram registrados em São José dos Campos 428 casos confirmados de dengue, sendo 324 contraídos no município e 104 importados.