Obras de saneamento no Córrego do Turi são retomadas em Jacareí

Por: Share:
A obra contempla dois reservatórios de contenção de águas das chuvas (piscinões) no córrego do Turi, uma nova avenida que está sendo construída paralelamente à rodovia Nilo Máximo (SP-66) e a construção de um parque linear na região do Parque dos Príncipes. (Foto: Alex Britto/PMJ)
A obra contempla dois reservatórios de contenção de águas das chuvas (piscinões) no córrego do Turi, uma nova avenida que está sendo construída paralelamente à rodovia Nilo Máximo (SP-66) e a construção de um parque linear na região do Parque dos Príncipes. (Foto: Alex Britto/PMJ)

As obras do projeto de Saneamento Integrado do Vale do Córrego do Turi foram retomadas nesta semana. Nestas etapas serão concluídas as obras de dois reservatórios de contenção de águas das chuvas (piscinões) no córrego do Turi, as desapropriações e remoções para a finalização da avenida que está sendo construída paralelamente à rodovia Nilo Máximo (SP-66) e a construção de um parque linear na região do Parque dos Príncipes. A obra faz parte do maior projeto de saneamento já realizado na história de Jacareí.

publicidade

As obras foram retomadas após um período de adequação de projetos, iniciado em junho de 2014. A previsão é que elas sejam concluídas no primeiro semestre de 2016. Na manhã desta quinta-feira (26), o prefeito em exercício, Dr. Adel Charaf Eddine, foi conferir a retomada da obra.

Durante a visita Dr. Adel ressaltou que, durante a paralisação dos trabalhos, equipes da Infraestrutura e da Vigilância à Saúde fizeram vistorias e serviços pontuais para que o local não se tornasse foco de dengue. “A Prefeitura está fazendo a parte dela e, nesta guerra contra a dengue, é preciso que cada um faça a sua parte.”

A obra – O investimento total nesta fase, com a construção dos piscinões, da avenida, de um coletor-tronco e do parque linear, é de R$ 46 milhões, sendo que cerca de 30% deste valor já foram investidos nas etapas iniciais. As obras no Vale do Córrego do Turi, realizadas entre o Parque Itamaraty e o Jardim Pitoresco, fazem parte de um programa de investimentos históricos na área de saneamento em Jacareí e são custeadas com recursos do PAC 2 (Programa de Aceleração do Crescimento), do Governo Federal.

Os reservatórios de contenção de águas na região do Parque dos Príncipes terão capacidade para armazenar 50 mil metros cúbicos de água e vão ocupar uma área de 37 mil metros quadrados de superfície. Na região do Jardim Coleginho o reservatório terá capacidade de 95 mil metros cúbicos e vai ocupar uma área de 33 mil metros quadrados de superfície. Com estes reservatórios, as cheias e enchentes que afetam a região central da cidade serão solucionadas.

Além de combater as enchentes, estes investimentos em saneamento compõem também a construção de um coletor-tronco de esgoto, a canalização de um trecho do Córrego do Turi e melhorias no tráfego desde a rodovia Nilo Máximo até a região central da cidade. Na região do Parque dos Príncipes um parque linear vai beneficiar moradores e visitantes, com áreas de lazer e paisagismo. A nova avenida está sendo construída na rua Dom Teodósio de Bragança, e ligará a região do Jardim Pitoresco à avenida Siqueira Campos, no Centro, com extensão de 2.000 metros.

Saiba mais – A primeira fase, com investimentos de R$ 112 milhões, foi iniciada em 2009 e contemplou a despoluição do Córrego do Turi, que recebe mais de 50% de todo o esgoto do município, e a construção da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) — projetada para tratar os efluentes de uma população de 240 mil moradores –, a instalação de 14 quilômetros de coletores-tronco e seis quilômetros de linhas de recalque, que são responsáveis pelo envio dos efluentes à estação de tratamento.

Com investimentos acima de R$ 270 milhões (somando a primeira fase, a atual e uma nova que ainda será licitada) realizados desde 2009, o saneamento básico em Jacareí vai elevar os índices de tratamento de esgoto para praticamente 100% na área urbana, além da construção do maior reservatório de água da cidade, com capacidade de 5 milhões de metros cúbicos. Para esta última etapa, que abrange a região do São João e Esperança, ainda não foi feita a licitação — os recursos de R$ 113 milhões foram contemplados pelo PAC 2 que aguardam liberação da Caixa para que o processo licitatório comece.