Número de feriados preocupa os comerciantes da região do Vale

Por: Share:

PortalR3Diferente do que aconteceu no ano passado, a maior parte dos feriados de 2015 vai ser em dias úteis. Em nossa região, contando feriados nacionais, estaduais e municipais, há cidades com um grande número de folgas devido a essas datas, como Taubaté por exemplo com 14 feriados, Lagoinha com 13 e Caçapava com 12, sem contar os dias de “emendas” com os finais de semana, chamados de feriadões ou de feriados prolongados.

O alto número já preocupa os comerciantes que podem ou não trabalhar nesses dias. Para isso é necessário um planejamento. O lojista precisa analisar os custos e as perspectivas de vendas nessas datas.

“Em muitos casos vale à pena, pois muitos trabalhadores da indústria por exemplo estão de folga e dispostos a aproveitar o tempo livre para ir às compras”, comenta o presidente do Sincovat (Sindicato do Comércio Varejista de Taubaté e região), Dan Guinsburg.

Sendo assim, é necessário solicitar a autorização junto aos sindicatos do comércio varejista e dos empregados do comércio e seguir as cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho, pois os funcionários possuem alguns direitos quando trabalham em feriados, como pagamento de 100% e folga compensatória.

“Abrimos em todos os feriados. Entendemos que assim os clientes têm mais comodidade e tranquilidade para fazer suas compras”, explica o gerente da Caedu Taubaté, Leandro Impassionato.

Para facilitar, o Sincovat disponibiliza em seu site um requerimento de autorização para abrir as lojas nessas datas. Basta o empresário imprimir, assinar e enviar a entidade, que também encaminhará ao Sindicato dos Empregados.

O “de acordo” dos dois sindicatos é a garantia que o empresário precisa para trabalhar tranquilamente nos feriados. Caso contrário, ele poderá ser autuado em R$ 300,00 por empregado e ter problemas futuros com rescisões trabalhistas. As empresas poderão ser fiscalizadas quanto ao cumprimento das exigências constantes na convenção, por meio dos Agentes Sindicais ou pelo Ministério Público.

VEJA TAMBÉM