Comissão se reúne para discutir Plano Municipal de Educação de Caraguá

Por: Share:
 O Plano Municipal de Educação faz parte das diretrizes do Plano Nacional de Educação (PNE) e contempla metas que vão desde a educação infantil até a pós-graduação, passando pela gestão, financiamento e formação dos profissionais. (Cláudia Moysés/PMC)
O Plano Municipal de Educação faz parte das diretrizes do Plano Nacional de Educação (PNE) e contempla metas que vão desde a educação infantil até a pós-graduação, passando pela gestão, financiamento e formação dos profissionais. (Cláudia Moysés/PMC)

A Comissão que prepara o Plano Municipal de Educação (PME) de Caraguá se reuniu, nesta terça (17/3/2015), com representantes de vários setores da sociedade civil para avaliar as metas do município. O encontro ocorreu na secretaria de Educação, no Indaiá.

publicidade

O vice-prefeito, Antonio Carlos Junior, agradeceu a presença de segmentos distintos e disse que o Governo Municipal tem compromisso com a qualidade da Educação oferecida no município e, principalmente, com a formação das crianças de 0 a 6 anos. “Esse plano é fundamental para prepararmos cidadãos de bem. É um compromisso coletivo para construirmos um futuro melhor”.

A secretária de Educação, Roseli Morilla, afirmou que esse Plano Municipal, preparado pelo segmento educacional juntamente com a sociedade civil, definirá os caminhos da Educação para a próxima década em Caraguá.

Participaram deste processo, a chefe de Gabinete, Eloiza Andrade Antunes de Oliveira; o secretário de Desenvolvimento Social e Cidadania, Marcelo Paiva de Medeiros; representantes do setor de Contabilidade do Governo Municipal, da secretaria de Assuntos Jurídicos, de Educação (Apoio Pedagógico, Supervisão, professores da Educação Infantil, Fundamental 1 e 2); do Conselho Municipal de Educação; do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente; do Conselho Municipal de Alimentação; do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação  (Fundeb); do Centro do Professorado Paulista; da Diretoria Regional de Ensino; da gestão das unidades escolares municipal e estadual; das escolas particulares; educadores; de pais e alunos.

PME – O Plano Municipal de Educação faz parte das diretrizes do Plano Nacional de Educação (PNE) e contempla metas que vão desde a educação infantil até a pós-graduação, passando pela gestão, financiamento e formação dos profissionais.

“Os participantes levarão as propostas sobre cada uma das 20 metas ao segmento ao qual representam para que sejam feitas sugestões, complementações ou alterações do que já foi elaborado”, disse a secretária adjunta, Olímpia Arruda.

Entre março e abril haverá novas reuniões da Comissão Municipal para consolidar o documento. No dia 13 de maio, será realizado o Congresso Municipal do Plano Municipal de Educação, no Teatro Mario Covas, onde será promovido um amplo debate para finalizar o PME. Em seguida, será enviado à Câmara Municipal para ser aprovado até o dia 24 de junho.

Encontro Estadual – No dia 10 de março, a secretária de Educação, Roseli Morilla, e a secretária adjunta, Olímpia Arruda, participaram da 4ª Formação Técnica dos Avaliadores – Planejando a Próxima Década, que reuniu os gestores de Educação dos municípios paulistas.

No encontro, na sede da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação do Estado de São Paulo (Undime-SP), os representantes municipais receberam orientações sobre como fazer o diagnóstico na sua cidade; como tomar as decisões sobre as metas e estratégias; como construir estratégias; e a  elaboração ou adequação dos seus planos de educação.

Também viram o contexto do Plano Nacional de Educação e seus avanços; premissas importantes; a importância da elaboração do Plano Municipal; o trabalho conjunto – A cooperação e a Rede de Assistência Técnica; e a realidade do trabalho no Brasil, em São Paulo e nos municípios.

“A elaboração do Plano Municipal de Educação vai nortear todas as ações para os próximos 10 anos em relação à Educação Infantil, Educação em Tempo Integral, o crescimento das matrículas da educação profissional e tecnológica, a ampliação do acesso à educação superior, à pós-graduação, passando pela gestão e financiamento e pela formação dos profissionais”, disse a secretária adjunta.