Cantareira tem janeiro com chuvas abaixo da média e inicia fevereiro em queda

Por: Share:
O Sistema Cantareira ficou entre os dias 24 e 29 com um volume estável em 5,1% (Foto: Divulgação/Sabesp)
O Sistema Cantareira ficou entre os dias 24 e 29 com um volume estável em 5,1% (Foto: Divulgação/Sabesp)

Após sete dias em estabilidade, o nível do Sistema Cantareira iniciou fevereiro em queda. Ontem, dia 1º, o maior reservatório de água da região metropolitana de São Paulo, que abastece cerca de 6 milhões de pessoas, está com 5% da capacidade. Um volume maior de chuvas entre os dias 25 e 29 de janeiro contribuíram para que o sistema mantivesse o volume armazenado de 5,1%. Nos dias 30 e 31, praticamente não choveu (0,4 milímetros no dia 31). Os dados são atualizados diariamente pela Companhia Estadual de Saneamento Básico (Sabesp).

O Cantareira fechou o primeiro mês do ano com chuvas 45% abaixo da média, que é 271,1 milímetros (mm). A pluviometria acumulada nas represas que formam o sistema chegou a 148,2 mm em janeiro. No mesmo período do ano passado, choveu ainda menos (87,8 mm). O volume armazenado no sistema naquela época, no entanto, estava em 22,2%.

Entre os outros cinco sistemas que abastecem a região metropolitana, três apresentaram elevação neste domingo. O Alto Tietê subiu de 10,8% para 11%. O acumulado de chuvas, no entanto, ficou abaixo da média em janeiro. Foram 103,8 mm neste ano. A média histórica está em 251,5 mm. Apenas o Guarapiranga teve precipitações acima da média. Foram 248 mm, enquanto a média é 229,3 mm. O nível do sistema, localizado no sul da região metropolitana de São Paulo, caiu neste domingo, ficando em 47,9%, uma redução de 0,2 ponto percentual.

O Alto Cotia também baixou de 28,4% para 28%, com um acumulado de chuvas de 80 mm em janeiro. O Rio Grande é o reservatório com maior percentual de água armazenada, com 75% do volume total. Ontem, ele registrava 74,7%. Em relação às chuvas, o índice pluviométrico (245,2) ficou próximo à média (251,5 mm). O mesmo ocorreu com o volume de chuvas no Rio Claro (252,5 mm), que tem uma média histórica de (298,9 mm). O nível de armazenamento aumentou hoje, passando de 28,3% pra 28,8%.

Nesta semana, o diretor metropolitano da Sabesp, Paulo Massato Yoshimoto, alertou que a empresa poderá adotar o sistema de rodízio de cinco dias por semana sem água, caso não aumente o volume de chuvas no Cantareira. A decisão poderá ser tomada em situação extrema.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, disse na última sexta-feira (30) que a adoção do sistema de rodízio ainda não está definido e não se sabe qual esquema seria implantado. Segundo ele, por enquanto, o governo trabalha com a redução da pressão de água à noite e com a oferta de bônus para quem consuma menos água.

VEJA TAMBÉM