Batalhão ‘Borba Gato’ comemora 65 anos de história em Pinda

Por: Share:
Batalhão Borba Gato nos seus 65 anos de história. (Foto: PortalR3)
Batalhão Borba Gato nos seus 65 anos de história. (Foto: PortalR3)

O comandante do 2º Batalhão de Engenharia de Combate, tenente-coronel Paulo Alípio Branco Valença, recebeu, na manhã desta sexta-feira (13), autoridades militares e civis para solenidade comemorativa aos 65 anos de criação da Unidade Militar em Pindamonhangaba, que acontece no dia 15 de maio.

Durante a solenidade, o comandante do Batalhão fez a entrega do diploma “Amigo do 2º Batalhão de Engenharia de Combate” para algumas pessoas e instituições da região que estão sempre contribuindo com o Batalhão.

Militares da Unidade também foram agraciados com medalhas distintas, pelos relevantes serviços prestados ao Exército Brasileiro e ao Brasil.

Na mesma solenidade, os soldados incorporados no presente ano receberam a boina, ato que marca o fim do período de instrução básica e mostra que os soldados estão prontos para defender a nação.

Finalizando a solenidade, a tropa desfilou em continência as autoridades e os presentes foram convidados para participar de um coquetel nas dependências do Batalhão.

História: “Batalhão Borba Gato”, 65 anos anos de história e tradições em Pindamonhangaba

O 2º Batalhão de Engenharia de Combate foi criado pelo Decreto Reservado nº 21.134-A, de 15 de maio de 1946. O Batalhão traz consigo as tradições da Unidade Militar que o precedeu junto à antiga 2ª Divisão de Infantaria, o 5º Batalhão de Engenheiros – 1908, transferido de Cáceres-MT para São Paulo-SP, em 1919, com a denominação de 2º Batalhão de Engenharia. Todavia, o trabalho dos seus antecessores, além de encerrar um brilho institucional de Força Armada, também é herdeiro do legado de bravura, arrojo e audácia dos pioneiros de nossa Terra, os bandeirantes, de cujo rol emprestou-se à denominação histórica de “Batalhão Borba Gato”.

Tendo crescido em solo herdado dos brasileiros que fizeram ecoar o ”Grito do Ipiranga, o 2º BECmb é hoje um símbolo de presença militar em Pindamonhangaba, perpetuando os mesmos valores da Guarda de Honra Imperial, que, saindo da nossa “Vila Real”, a 21 de agosto, acompanhou o Príncipe Regente até o histórico 7 de Setembro de 1822. Desde 15 de maio de 1946, são 65 anos de existência em que a Engenharia Militar de Pindamonhangaba contribuiu com uma ampla folha de serviço prestado à sua Região.

Por meio de um trabalho ininterrupto e honroso, formou turmas de soldados aptos a defender a Pátria, fazendo-os desempenhar, desde missões convencionais de combate até as atividades logísticas e trabalhos técnicos, envolvendo serviços especializados.

Não raras foram as ocasiões em que botes militares para transporte de tropa, aliados a passadeiras (pontes flutuantes para pedestres) e portadas (balsas), resgataram vidas e pertences, fornecendo a ajuda necessária aos flagelados.

O exemplo mais recente ocorreu na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro-RJ, no início do corrente ano, ocasião em que uma equipe do Batalhão Borba Gato prontamente participou do socorro às vítimas da terrível enchente que assolou aquela região.

Desde 2004, o Batalhão tem integrado o efetivo de Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (MINUSTAH), contribuindo para a pacificação e o desenvolvimento daquele país amigo.

 

Patrono do Batalhão

Manuel de Borba Gato foi um dos mais célebres bandeirantes, viveu no século XVII. Era genro de Fernão Dias. Participou da grande bandeira chefiada pelo sogro e organizada com o objetivo de encontrar  esmeraldas.

Fernão Dias, pressentindo que morreria,confiou a Borba Gato os destinos da expedição. Além dessa, chefiou outras bandeiras, de 1680 a 1700, vivendo praticamente nas selvas.

Seu nome está ligado ao descobrimento das minas de Sabará e ao desbravamento das terras próximas ao Rio das Velhas.

 

Histórico do prédio

Construção: Final do Século XIX
Tipo: Alvenaria
Estilo: Neoclássico
Inauguração do Piso Superior: 1968

 

O atual prédio já foi sede de várias

Mercado Municipal (Final do Século XIX até 1914)
4º Corpo de Trem (1914 1919)
Desocupado de 1920 A 1929, devido à extinção do 4º Corpo de Trem, em 1920.
2ª Companhia De Transmissões (1930-1932)
12º Regimento De Cavalaria Independente (1932-1939)
2º Batalhão do 5º Regimento de Infantaria (1939-1943)
1ª Companhia do 2º Batalhão do 6º Regimento de Infantaria (1943-1945)
2º Batalhão de Carros de Combate Leve (1945- 1947)
2º Batalhão de Engenharia De Combate (1947 até a presente data)

Atual comandante

Ao ser nomeado para o cargo de Comandante do 2º Batalhão de Engenharia de Combate, o Coronel de Engenharia Paulo Alipio Branco Valença estava servindo na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, sediada no Rio de Janeiro-RJ. Foi promovido ao posto atual em 30 de abril de 2011.

Nascido em 20 de junho de 1965, na cidade do Rio de Janeiro-RJ, é filho de Paulo Alves Valença e Auta da Silva Branco Valença.

Foi declarado Aspirante-a-oficial em 12 de dezembro de 1987, sendo classificado no 2º Batalhão de Engenharia de Combate, em Pindamonhangaba-SP, onde desempenhou, durante três anos, as funções de oficial subalterno. Ainda como oficial subalterno foi instrutor na Escola Preparatória de Cadetes do Exército. Como oficial intermediário comandou a 2ª Companhia de Engenharia de Combate do 3º Batalhão de Engenharia de Combate, sediado em Cachoeira do Sul -RS. Posteriormente, comandou a Companhia de Engenharia de Combate e chefiou a 2ª Seção do 2º Batalhão de Engenharia de Combate.

Novamente como instrutor da Escola Preparatória de Cadetes do Exército comandou a 1ª Companhia de Alunos e foi o Instrutor-chefe da Seção de Educação Física. Como oficial de Estado-Maior desempenhou as seguintes funções:

Instrutor na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, Adjunto à Divisão de Doutrina e Oficial de Ligação com a Assessoria de Doutrina do Departamento de Educação e Cultura do Exército e Chefe da 4ª Seção (logística) e Assistente-Secretário no Comando da 16ª Brigada de Infantaria de Selva, sediada em Tefé-AM.

No exterior, exerceu a função de instrutor da Academia de Guerra do Exército do Chile, em Santiago – Chile. O Cel Valença possui os seguintes cursos e estágios militares:  Oficial da Arma de Engenharia na Academia Militar das Agulhas Negras; Aperfeiçoamento de Oficiais de Engenharia na Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais; Comando e Estado-Maior na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército; Comando e Estado-Maior na Academia de Guerra do Exército do Chile; Instrutor de Educação Física na Escola de Educação Física do Exército; Mergulhador Autônomo no Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo; Básico do Combatente de Montanha no 11º Batalhão de Infantaria de Montanha; Operações Aeromóveis no Centro de Instrução de Aviação do Exército; Adaptação à Caatinga no 72º Batalhão de Infantaria Motorizado; Adaptação à Selva no Comando da 16ª Brigada de Infantaria de Selva.

Possui, ainda, as seguintes especializações: Doutorado (Notório Saber) em Ciências Militares pelo Departamento de Educação e Cultura do Exército; Mestrado em Ciências Militares na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército; Mestrado em Ciências Militares, Planejamento e Direção Operacional, na Academia de Guerra do Exército do Chile; MBA em Logística Empresarial na Fundação Getúlio Vargas; Professor Militar de Academia, na disciplina de Logística, no Exército do Chile; Extensão em Gestão e Administração de Recursos de Defesa na Academia Politécnica Militar do Chile; Extensão em Atualização em Gestão de Projetos de Grande Porte e Negociação na Fundação Getúlio Vargas. Foi agraciado com a Medalha Militar de Prata, Medalha do Pacificador, Medalha do Serviço Amazônico com Passador de Bronze, Medalha Osório – O Legendário, Medalha Minerva (Chile) e Medalha Deusa Minerva (Chile).

É casado com a Senhora Patrícia, com quem possui três filhos.

VEJA TAMBÉM